Jogador brasileiro tem o passaporte retido e está impedido de sair da Indonésia

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Alex Gonçalves é um entre 1287 brasileiros espalhados pelo mundo do futebol, segundo dados do CIES Football.  As histórias de vitórias, nas grandes ligas internacionais, são aquelas que fazem sucesso e levam milhares de crianças ao sonho de se tornarem jogadores de futebol. O esporte mais popular do planeta, no entanto, pode ser muito traiçoeiro também.

Preso' na Indonésia e sem salário: Conheça a história do brasileiro Alex Gonçalves

Formado na base do Grêmio e com passagem no time profissional do Internacional, Alex, atualmente com 31 anos, passou por vários clubes ao longo da carreira. Entra na categoria de andarilhos do futebol, tamanha sua experiência. Jamais, porém, imaginou viver a situação que enfrenta na Indonésia atualmente. Há mais de um mês está com o passaporte retido e impedido de deixar o país.

Todo problema começou em 2020, com a pandemia de coronavírus. Contratado pelo Persikabo, clube ligado à polícia local e da primeira divisão, com o início do período de quarentena viu seu salário ser reduzido em 75%, sem qualquer acordo. Deixou a equipe no início deste ano, se transferiu para a Malásia, mas recebeu em julho outra proposta do futebol indonésio, desta vez do Persita.

Antes disso, acionou o Persikabo na FIFA pela falta de pagamentos e ganhou a causa. O visto de trabalho que possuía estava ligado a seu ex-clube, e quando precisou renovar pelo Persita foi informado que seria impossível porque não havia liberação do vínculo anterior. Para piorar, foi denunciado pelo Persikabo na justiça indonésia por difamação, já que tornara o caso público através de suas redes sociais. Está intimado para depor.

"Estou passando por uma situação muito delicada. Longe da minha família, já faz um ano que não vejo meu filho, minha esposa... Estou passando por uma situação muito complicada. Não estou podendo jogar, não estou podendo trabalhar. Tudo porque o meu clube atual não consegue dar entrada em um novo visto de trabalho, porque o meu nome ainda está vinculado ao meu ex-clube, que não quer tirar o meu nome do sistema", explica o próprio Alex, em contato com o blog. "À medida que o tempo vai passando, vou me tornando ilegal. Estou desesperado, meu passaporte está retido na imigração. Não sei o que vai acontecer amanhã, estou com medo de sair na rua, até porque meu ex-clube é militar".

Confinado em seu apartamento na cidade de Tangerang Regency, na Ilha de Java, Alex fica indignado pelo real motivo de todo imbróglio que já se tornou diplomático. "Tudo isso está acontecendo porque reportei esse meu ex-clube na FIFA. A causa já foi e ganha e e eles querem barganhar, fazer uma troca. Querem que eu retire a ação para tirarem meu nome do sistema de imigração. Isso não existe, porque eu tenho o direito de estar trabalhando. Meu atual clube não consegue fazer muita coisa porque falam pra mim que é o sistema de imigração... Mas não sei o que o que se passa na verdade, porque os documentos nunca são mostrados pra mim, são apenas palavras".

Alex não tem um staff por trás para lhe protegê-lo de situações assim. Possui um amigo no Brasil que o ajuda com o próprio agenciamento da carreira, mas na prática - assim como outras centenas de jogadores brasileiros pelo mundo - depende da boa fé de empresários locais em negociações. O caso na FIFA ficou sob responsabilidade de um advogado português. Com isso, sua situação atual depende muito da atuação da embaixada brasileira na Indonésia.

Atacante Alex Gonçalves durante apresentação ao Botafogo-SP
Atacante Alex Gonçalves durante apresentação ao Botafogo-SP Rogério Moroti/Agência Botafogo

"Eles me deram apoio, todo suporte, disseram que se eu precisar a embaixada estaria ali para ajudar. Até cogitei pedir um novo passaporte de emergência, expliquei pelo amor de Deus, fazemos todos os trâmites de imigração para ir embora... O que passaram para mim foi que, por ter sido denunciado na polícia, essa carta chegou até a imigração, que embargou todos os processos de deportação", explica sem entender a fundo tudo que realmente está acontecendo. A embaixada brasileira, segundo Alex, passou o contato de um advogado indonésio, que conseguiu, na polícia, o adiamento da convocação do brasileiro para a próxima segunda-feira. Ele ouviu também que precisará prestar esclarecimentos aos policiais sobre as publicações em redes sociais. "Não me sinto seguro em ir na polícia. Não estou no meu país, não falo a língua, não sei o que pode acontecer. Tenho receio que eles me levem para uma sala, me prendam, façam algum tipo de chantagem... Não sei. É arriscado". 

A reportagem da ESPN tentou contato com a embaixada brasileira em Jacarta, através dos canais de comunicação disponíveis, mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta.

Alex tenta manter a forma física na academia do prédio onde mora, já que está afastado dos treinamentos do Persita. Na Indonésia, tem recebido apoio de outros brasileiros que disputam a Liga 1, nome oficial da primeira divisão. Nesta semana o atacante ganhou apoio e divulgação de seu caso com o ex-jogador Tinga, que publicou em suas redes sociais um vídeo de Alex pedindo ajuda. Nos últimos dias, Dunga, ex-técnico da seleção brasileira, ligou para ele oferecendo ajuda também. A FIFA, através de seu departamento jurídico, tem buscado informações.

Na maior parte da conversa, Alex mantém a calma, fala com serenidade. Pode não entender todos os meandros e talvez até mesmo a complexidade diplomática de seu caso, mas demonstra tranquilidade diante de tantos problemas. Isso muda quando a saudade da família e o inacreditável risco de ser preso vêm à cabeça. "Esse é um problema que eu nunca passei, jamais imaginei passar na minha vida. Sou um pai de família...", lamenta Alex, interrompendo a fala pelas lágrimas provocadas com a emoção. "Se eu tivesse que sair de urgência, agora seria impossível. Não vejo o meu passaporte há dois meses. Enquanto isso, minha esposa e meu filho estão em casa desesperados. Meu filho vai fazer aniversário no próximo dia 16, chama pelo pai todos os dias... É difícil explicar essa situação".

Natural de Teixeira de Freitas, na Bahia, Alex se estabeleceu em Porto Alegre desde que foi aprovado para fazer parte da base do Grêmio. De lá partiu para conhecer o Brasil e o mundo através do futebol. Viveu as mais variadas experiências do interior de São Paulo à Romênia, e agora aos 31 anos conhece o aspecto mais tenebroso do esporte mais apaixonante de todos. "O que eu mais queria nesse momento era deixar o país. Suplico para alguém me ajudar. Se eu pudesse, agora mesmo pegava um avião e ia embora para casa, faria isso o mais rápido possível, mas estou de mãos atadas neste momento. Um brasileiro, na Indonésia, denunciado pela polícia por não ter feito nada. Passaporte preso na imigração, clube tentando fazer que eu desista do dinheiro que já ganhei pela lei e pela lei da FIFA. Não sei mais o que fazer".

Comentários

Jogador brasileiro tem o passaporte retido e está impedido de sair da Indonésia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Volante, gamer e empresário: a vida de Casemiro além do futebol

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman
Casemiro é fundador da equipe Case eSports
Casemiro é fundador da equipe Case eSports Divulgação

Qualquer semelhança entre o Real Madrid e a Case Esports não é mera coincidência. Quando fundou sua própria equipe de esportes eletrônicos no final de 2020, o volante Casemiro se inspirou em tudo que aprendera como madridista, da mentalidade vencedora em Chamartín a todos os cuidados existentes com os atletas.

O investimento de jogadores de futebol em eSports tem se tornado cada vez mais comum. César Azpilicueta (Chelsea), Mesut Özil (Fenerbahçe), Antoine Griezmann (Atlético de Madrid), Bernd Leno (Arsenal), Eduardo Salvio (Boca Juniors), Douglas Costa (LA Galaxy) e Gareth Bale, companheiro de Casemiro no Real Madrid, são alguns exemplos que variam proprietários de equipes ou apenas investidores no ramo.

Casemiro é proprietário da Case Esports
Casemiro é proprietário da Case Esports Divulgação

A conexão é natural. O carteado de antigamente nas concentrações da equipe foi substituído pelos videogames há muito tempo. As atuais gerações já cresceram dentro do universo eletrônico - desde os mais velhinhos com o universo Nintendo e Sega, até as modalidades online mais praticadas atualmente. Fora, é claro, a enorme ligação que existe entre o futebol e os jogos eletrônicos, com os sucessos de franquias como FIFA e PES.

A Case Esports conta com 21 jogadores e três treinadores, sendo 19 homens e cinco mulheres, representantes de sete países (Espanha, Brasil, Polônia, Rússia, Tchéquia, Lituânia e Bulgária). Todos estão divididos em cinco equipes de acordo com o game - CS:GO, League of Legends, FIFA e Valorant

Casemiro, CEO da empresa, sempre foi fã de Counter-Strike: Global Offensive, pontapé de partida na Case. Todos que o assistem em campo, com as camisas do Real Madrid e da seleção brasileira, percebem seu nível de competitividade. Defender essas duas equipes exige nível altíssimo de concentração e absoluta dedicação, já que nada além de títulos é suficiente na cobrança exercida. 

"Quero que eles sejam os melhores" foi uma das frases usadas por Casemiro na época do lançamento da Case Esports e explica muito bem todo conceito envolvido no projeto.

Duas séries documentais lançadas nos últimos anos abordam bastante o madridismo. "Galácticos" e "La Leyenda Blanca" tratam as ideias que moldam o espírito do clube, suas ambições e o constante objetivo de ser o mais importante do mundo. Casemiro vivencia esse cenário há quase 10 anos, com três títulos de LaLiga, uma Copa do Rei, três Supercopas da Espanha, três Mundiais, duas Supercopas europeias e quatro Champions Leagues, em busca da 5ª no próximo sábado (28), contra o Liverpool

O brasileiro conhece bem a pressão existente e as melhores formas de se lidar com isso, por isso entende que, para seus atletas de eSports, é fundamental oferecer toda estrutura possível para que se concentrem apenas nos jogos.

A sede da Case Esports fica em Madri e conta com ampla estrutura para os atletas, dividida entre Game House e Game Office. A primeira possui serviços de apoio para maior comodidade dos jogadores, cozinha, funcionários das áreas de fisioterapia, administrativo e mobilidade. Já o Game Office, onde Casemiro mantém uma sala, é a área de treinamento diário. A ideia é realmente que eles tenham rotina de atletas profissionais, saindo de casa e indo para o CT, como Casemiro faz na Ciudad Deportiva do Real Madrid.

Equipe feminina da Case Esports na estrutura da empresa em Madri
Equipe feminina da Case Esports na estrutura da empresa em Madri Divulgação

Tamanho da equipe

Dentro do universo de eSports, a Case Esports é vista com enorme potencial, apesar de ainda estar distante das melhores equipes, até pelo curto tempo de existência. Na Espanha, por exemplo, a potência no ramo se chama DUX Gaming, empresa que pertence a outros dois jogadores: Thibaut Courtois, companheiro merengue de Casemiro, e Borja Iglesias, atacante do Betis. 

"No dia a dia nós acabamos não falando muito sobre esse assunto, mas acho muito legal que outros jogadores tenham esse mesmo objetivo de investir e agregar valor pro cenário dos games", afirma Casemiro, em conversa exclusiva com a ESPN.

As equipes foram montadas em conjunto com Carlos García, manager da equipe, em quem o brasileiro confia muito, mas como presidente, o meio-campista do Real Madrid teve participação direta na contratação dos jogadores.

"Eu sempre quis ter minha equipe, pois desde garoto eu gostava muito de jogos eletrônicos. Quando a ideia de montar a equipe amadureceu, eu vi que poderia ajudar o cenário dos games com a minha imagem e com a minha conduta profissional. Mais do que uma mentalidade vencedora, o que eu tento passar para todos que atuam na minha equipe é que eles sejam bons exemplos, tanto jogando quanto no dia a dia", garante o madridista.

Resultados começaram a aparecer. Vitória na primeira etapa de LOL, 2º lugar na primeira etapa de Valorant, colocação entre os 10 do NA do CS:GO... Sempre dentro do universo espanhol de eSports

O investimento em atletas talentosos também foi determinante. Lucas 'Steel' Lopes, de 29 anos, está na Case Esports desde agosto de 2021. Ele é o capitão da equipe de Counter Strike e se lembra bem das primeiras conversas com Casemiro. 

"Ele é um profissional em atividade, e que ganhou muita coisa. Sabe o caminho para ser campeão. O curioso é que, no meu caso, sou o capitão do time, e quando conversamos sobre entrar na equipe, gostei muito da forma como ele pensa. Entende que a competição é dura, que para chegar lá necessita de todo um processo. Ele entende bastante as nossas dificuldades, tira bastante da pressão que normalmente teríamos em outras organizações", salientou.

Steel, ao centro, é o capitão da equipe de Counter Strike da Case Esports
Steel, ao centro, é o capitão da equipe de Counter Strike da Case Esports Divulgação

A rotina de Casemiro é puxada no Real Madrid, é impossível participar ativamente no dia-a-dia da Case Esports. Carlos García foi fundamental para tirar o projeto, que existia há três anos, do papel em 2020. Antes, houve a possibilidade de parcerias, todas recusadas por Casemiro, porque desejava ter o próprio projeto com seu nome e seus conceitos. 

"Achei muito legal porque ele traz muita coisa do futebol para o e-Sports em questões contratuais mesmo. Nunca tinha visto em outras organizações. Ele ofereceu coisas que eu nunca tinha visto antes, em sete anos como profissional, é uma injeção de motivação", relata Steel.

"Hoje nós temos mais de 40 pessoas envolvidas na estrutura da Case Esports, é uma grande responsabilidade. E o conceito principal é que não vamos cobrar títulos, mas sim comprometimento, entrega. Até porque eu sei que quando há compromisso, os resultados vêm naturalmente. Peço para cada um que trabalha na equipe, não só os jogadores, que façam com paixão, com prazer o trabalho do dia a dia", explica Casemiro.

Futuro como gamer

Casemiro tem o costume de convidar os jogadores para almoços na sua casa e em restaurantes na capital espanhola. As conversas variam entre futebol, e-Sports e a rotina como atletas profissionais. Além disso, todos da Case Esports estão praticamente em todos os jogos no Santiago Bernabéu.

A ideia de criar a Case Esports surgiu, naturalmente, da relação de Casemiro com os jogos eletrônicos. Desde garoto nos tradicionais videogames até os dias atuais no Counter Strike, o madridista é apaixonado pelas modalidades online. A dúvida que fica é: sabe jogar ou é melhor ficar só no futebol?

"Por incrível que pareça, e eu não vou puxar o saco, ele joga super bem. O Casemiro é muito bom em CS, bastante inteligente jogando. Acho que vem da personalidade dele no futebol. Tenho muita curiosidade sobre a parte tática do futebol, e eu perguntava muito para ele. Parece que ele traz isso para o CS. Joguei algumas partidas com o Casemiro e ele tenta ter um estilo de jogo bastante constante, sem loucura, um jogo funcional. Assemelha-se bastante com a característica dele no futebol", garante Steel.

Na última terça-feira, quando questionado sobre quais jogadores do Real Madrid possuem perfil para se tornarem treinadores de futebol, Carlo Ancelotti citou Casemiro. Daqui a muito anos, quando decidir se aposentar, ao que parece, o brasileiro terá algumas opções para a sequência da carreira profissional.

Comentários

Volante, gamer e empresário: a vida de Casemiro além do futebol

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Seleção da temporada 2021-22 de LaLiga: dois brasileiros e o melhor do mundo

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

A temporada de LaLiga começou indefinida. O então campeão, Atlético de Madrid, manteve a base do título e buscou reforços como Rodrigo de Paul, Antoine Griezmann e Matheus Cunha. O Barcelona seguia com Ronald Koeman e muitos problemas, enquanto o Real Madrid contratou novamente Carlo Ancelotti. Ao grupo de favoritos permanecia o Sevilla, que brigara pela taça até o final na temporada anterior.

Com o passar das rodadas, o favoritismo de uma equipe ficou claro. Com regularidade, força coletiva, excelentes desempenhos individuais e muitos tropeço dos rivais, o Real Madrid se tornou o melhor time de LaLiga em 2021-22 com sobras e conquistou sua 35ª LaLiga. Adversários melhoraram, principalmente o Barça a partir da virada de ano, com a chegada de Xavi, os reforços no ataque e a ressurreição de Ousmane Dembélé - a goleada sobre o Real Madrid foi a maior prova, apesar da queda técnica logo na sequência.

Real Madrid foi campeão espanhol pela 35a vez na história
Real Madrid foi campeão espanhol pela 35a vez na história Real Madrid

A principal característica de LaLiga, mais uma vez, foi a técnica. Trata-se de uma competição de altíssimo nível de jogo, onde mesmo os times que lutam contra o rebaixamento possuem qualidade e oferecem duelos equilibrados com as melhores equipes. Um bom exemplo foi o incrível Sevilla 5x3 Levante, partida com mais gols na temporada ao lado de Mallorca 2x6 Granada. A média de gols do campeonato ficou em 2,5 por jogo e de público em 22,829 torcedores por partida.

Abaixo está a seleção da temporada baseada nas análises individual, coletiva, empírica do jogo e estatística (base de dados do Wyscout).

Thibaut Courtois (Real Madrid)

Foram 29 gols sofridos em 36 jogos, grandes atuações e defesas monumentais. Courtois se coloca novamente entre os melhores goleiros do mundo com atuações de altíssimo nível na equipe campeã - e mesmo assim foi o nono no total de defesas com 95. Há uma estatística avançada chamada "Gols evitados", na qual o goleiro belga se destacou também: quarto em LaLiga com média de 4,69.

Héctor Bellerín (Betis)

Emprestado pelo Arsenal, Bellerín teve alguns problemas com lesões que o impediram de alcançar um número maior de partidas - foram somente 23 nesta temporada de LaLiga. De qualquer modo, aos 27 anos, recuperou o bom nível apresentado na Premier League. Importante no ataque do Sevilla, como é sua característica, mas bem também na defesa, onde alcançou média de 4,27 interceptações por jogo, 6,9 recuperações no campo adversário e 6,36 duelos defensivos vencidos por partida.

Diego Carlos (Sevilla)

Representante da melhor defesa de LaLiga, com apenas 30 gols sofridos, Diego Carlos mais uma vez atuou em altíssimo nível. Nenhum jogador bloqueou mais finalizações do que ele (28), sétimo em aproveitamento nos duelos aéreos (65,1%) entre os zagueiro com pelo menos 20 jogos, terceiro entre todos jogadores com mais passes (2068) e ainda colaborou no ataque com três gols. Em sua terceira temporada pelo Sevilla, um dos destaques de LaLiga.

 

Manchester City e Milan campeões, e o 'fico' de Mbappé com hat-trick: o top 10 do fim de semana




David Alaba (Real Madrid)

Melhor contratação da temporada de LaLiga. O Real Madrid não precisou pagar ao Bayern de Munique para levar o defensor austríaco, solução imediata para uma defesa que abriu mão de Sergio Ramos e Raphaël Varane. Excelente zagueiro, cobrindo também a lateral-esquerda quando Carlo Ancelotti precisou, se tornou um elemento estratégico na fase ofensiva da equipe, aparecendo na grande área para finalizar (dois gols e três assistências em 30 jogos). Adaptação muito rápida e ótimo entrosamento com Éder Militão.

Jordi Alba (Barcelona)

O tempo passa, o tempo voa e o Jordi Alba continua numa boa. Com ou sem Lionel Messi, com Ronald Koeman ou Xavi, tanto faz, o lateral-esquerdo segue como uma das referências ofensivas do Barcelona. Nove assistências (terceiro em LaLiga), segundo com maior número de passes (2414) em LaLiga e também com segunda maior média por partida (75,7), terceiro em passes para o último terço (343)... Muitos números que ajudam a mostrar a eficiência do lateral de 33 anos.

Dani Parejo (Villarreal)

Foram oito assistências na temporada 2021-22, quarto jogador com mais passes para o último terço (332) e, acima de tudo, absoluta regularidade. Em mais uma temporada de longa campanha continental para o Villarreal, o veterano meio-campista de 33 anos esteve em campo 33 vezes pelo Submarino Amarelo em LaLiga. A última vez que Parejo disputou menos que 30 partidas no campeonato foi em 2012-13.

Luka Modric (Real Madrid)

Luka Modric, mas pode chamar de Benjamin Button tranquilamente. O meia croata, de 36 anos, teve uma das melhores temporadas da carreira. Controla o meio-campo como poucos jogaodores no mundo, além de ser uma das lideranças madridistas e um dos atletas mais respeitados de LaLiga. Bem além das estatísticas acumuladas em 28 jogos, com dois gols e dez assistências, sexto com maior média de passes por jogo (65,9), uma referência na equipe de Carlo Ancelotti.

Karim Benzema e Luka Modric antes de partida do Real Madrid
Karim Benzema e Luka Modric antes de partida do Real Madrid Gonzalo Arroyo Moreno/Getty Images

Iker Muniain (Athletic Bilbao)

Sempre iniciando as jogadas pela esquerda e flutuando por dentro como um meia-central, Muniain foi o principal jogador do Athletic na temporada, retomando aos 29 anos o alto nível de jogo que apresentou no início carreira. Mesmo em uma equipe onde a posse de bola (47,1%) não era o padrão, apareceu em índices importantes como passes para a área adversária (quarto com 62) e passes em profundidade (quinto com 49), sétimo em chances claras de gol criadas (26) e foi o terceiro em assistências com nove.

Iago Aspas (Celta)

A temporada do Celta ficou abaixo das expectativas, após o ótimo primeiro ano dp técnico Eduardo Coudet. Individualmente, porém, Iago Aspas foi mais uma vez um dos destaques de LaLiga. Líder técnico da equipe, ídolo da torcida e decisivo em vários jogos com 17 gols e seis assistências, jogador espanhol com maior participação direta em gols nesta temporada.

Karim Benzema (Real Madrid)

Melhor jogador do mundo na temporada 2021-22, consequentemente de LaLiga também. Benzema teve participação direta em 37 dos 80 gols marcados pelo Real Madrid no campeonato; foi o artilheiro da competição com 27 e ainda deu dez assistências, segundo no quesito. Foi também o jogador que mais finalizou no campeonato (125).

Vinicius Jr (Real Madrid)

Foi a temporada da explosão técnica de Vini Jr. O atacante brasileiro se tornou um dos protagonistas do Real Madrid e o reflexo disso aparece nas estatísticas: vice-artilheiro do campeonato com 17 gols (bem acima do xG dele de 10.73), terceiro em assistências com nove, segundo melhor aproveitamento em finalizações (57,33%) e líder isolado em jogadas de 1x1 (347) e chances claras de gol criadas (35).

Vinicius Jr. comemora gol em Real Madrid x Celta de Vigo
Vinicius Jr. comemora gol em Real Madrid x Celta de Vigo David S. Bustamante/Soccrates/Getty Imag

Técnico: Carlo Ancelotti

A principal característica deste time do Real Madrid sob o comando de Carlo Ancelotti é a adaptabilidade ao que o jogo exige. Melhor ataque (80 gols), segunda maior média de posse de bola (58,6%), segunda melhor defesa (31), mas acima de tudo uma equipe que atuava de acordo com o que acontecia em campo. Muitas vezes controlando o ritmo com a bola nos pés, tantas outras vezes jogando em transição. Tudo sob a liderança tranquila do italiano.

Equipe reserva

Luis Maximiniano (Granada), Iván Balliu (Rayo Vallecano), Ronald Araujo (Barcelona), Éder Militão (Real Madrid) e Javi Galán (Celta); Casemiro (Real Madrid), Carlos Soler (Valencia) e Sergio Canales (Real Betis); Yannick Carrasco (Atlético de Madrid), Raúl de Tomás (Espanyol) e Ousmane Dembélé (Barcelona).

Comentários

Seleção da temporada 2021-22 de LaLiga: dois brasileiros e o melhor do mundo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Haaland tem potencial para se tornar um jogador geracional

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Vivemos a transição de eras no futebol. Estamos saindo do período dominado por Lionel Messi e Cristiano Ronaldo como melhores jogadores do mundo para uma nova época ainda sem os protagonistas definidos. Luka Modric, Robert Lewandowski e, muito provavelmente, Karim Benzema foram jogadores veteranos que se aproveitaram dessa transição para, com excelentes temporadas, serem coroados. Quem assumirá o trono agora?

Há dois jogadores jovens com potencial geracional, e um deles é Erling Haaland. O outro se chama Kylian Mbappé e merece outro texto apenas para ele; talvez com uma transferência para o Real Madrid... Sobre o norueguês, bem além dos números que serão detalhados mais abaixo, está o talento evidente. Aos 21 anos, completará 22 pouco depois de assinar contrato com o Manchester City em julho, já é um dos melhores atacantes do futebol mundial, provado em ligas de alto nível.

Haaland saudando a torcida do Borussia Dortmund
Haaland saudando a torcida do Borussia Dortmund Bernd Thissen/picture alliance via Getty

Haaland surgiu nacionalmente bem no Molde e rapidamente os scouts do Red Bull Salzburg o levaram para a Áustria. Tornou-se um fenômeno no futebol austríaco ao marcar 29 gols e 27 partidas para o Salzburg durante menos de um ano, tempo de sua passagem pelo clube. Na chegada à Alemanha, a confirmação da explosão de talento com, praticamente, a manutenção da média de gols que tinha em ligas inferiores. Está, neste momento, com 85 gols em 88 jogos com a camisa do Borussia Dortmund.

Poucos jogadores possuem a capacidade de finalização de Haaland. Com ambos pés, de cabeça ou na incrível aceleração que possui. Somente na atual temporada, somando Bundesliga, DFB Pokal e Champions League, Haaland marcou 28 gols com índice de xG de 24,5, a partir de 101 finalizações no total e 52 no alvo (aproveitamento de 51,5%).

Engana-se, porém, quem o classifica como centroavante à moda antiga. Haaland é um atacante central, que sabe se movimentar, oferece o passe curto, aparece para as triangulações e auxilia na armação no campo de ataque muitas vezes - como um excelente atacante central que o futebol atual exige, com pouco espaço para os grandalhões típicos. Nos passes, foram 535 tentativas com 378 certos, índice de acerto de 70,7% no geral - fora as sete assistências para os companheiros. Os gráficos abaixo mostram a capacidade de movimentação do atacante. 

Passes certos e errados de Haaland na temporada 2021-22
Passes certos e errados de Haaland na temporada 2021-22 ESPN

Direção dos passes de Haaland na temporada 2021-22
Direção dos passes de Haaland na temporada 2021-22 ESPN

Aproveitamento dos passes de Haaland por setor na temporada 2021-22
Aproveitamento dos passes de Haaland por setor na temporada 2021-22 ESPN

Os gráficos e os números acima são importantes para demonstrar como Haaland evoluiu desde quando chegou ao Dortmund, na temporada 2019-20. Passou a competir com atletas melhores, em duelos de nível maior, nas grandes competições e cresceu como atleta. É bem verdade que, na atual temporada, lesões prejudicaram seu desempenho.

No Manchester City, precisará se adaptar a uma nova ideia de jogo, com o técnico Pep Guardiola, bem diferente de tudo que viu no Borussia Dortmund nesses últimos anos. Terá que se adaptar, também, à Premier League, mas ele sai de uma grande liga europeia, onde o nível de exigência e enfrentamento é também altíssimo. Apesar da pouca idade ainda, o planejamento de carreira é muito bem feito, pensando na evolução pessoal, de clube e de liga; na prática, em cinco anos saiu da Eliteserien, o Campeonato Norueguês, passou pela Bundesliga austríaca, causou estrago na alemã e agora terá pela frente a Premier League.

Como em qualquer contratação no futebol, há o risco de não dar certo. Em qualquer caso isso existe, a própria transferência de Lionel Messi para o Paris Saint-Germain, com o desempenho abaixo do esperado do argentino na França, é uma prova de que transferências na vida real são diferentes daquelas que fazemos nos video games. É possível minimizar a probabilidade do erro com scout bem feito, análise completa da pessoa e tudo mais que as tecnologias oferecem atualmente. O risco Haaland é pequeno, muito pequeno, e a chance de dar muito certo é enorme. Erling Haaland poderá se tornar um jogador geracional a partir de agora.

         

    

Comentários

Haaland tem potencial para se tornar um jogador geracional

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Real Madrid 35x campeão espanhol: título marcado por individualidades e marcas históricas

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

O 35º título espanhol do Real Madrid será lembrado por marcas individuais. A temporada de melhor do mundo de Karim Benzema, o recorde de Marcelo, a explosão de Vinicius Jr, Luka "Benjamin Button" Modric e as recordes alcançados por Carlo Ancelotti.

O Real Madrid foi o melhor time de LaLiga em 2021-22. No início, não havia um grande favorito, mesmo com o atual campeão, Atlético de Madrid, se reforçando muito bem. Já o Barcelona, com Ronald Koeman, não era considerado candidato e, com Xavi, apenas ameaçou. Os merengues foram mais regulares e consistentes durante toda temporada, mesmo sem brilharem. A prova final veio com um time misto, repleto de reservas, que fez 4 a 0 no Espanyol sem dificuldade no Santiago Bernabéu. Há 15 anos o Real Madrid não celebrava um título espanhol em casa.

Marcelo foi o capitão do Real Madrid na temporada
Marcelo foi o capitão do Real Madrid na temporada EFE

Karim Benzema é o melhor jogador do mundo na atual temporada. Não serão os dois jogos finais na Champions League que farão de outro jogador melhor do que o atacante francês, autor até aqui de 42 gols e 13 assistências em 42 jogos, somando todas competições, na temporada. Números dignos de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi. Benzema atingiu um nível de jogo altíssimo e capacidade absurda de decidir jogos grandes.

Já Marcelo consolida ainda mais o seu lugar entre os maiores na história blanca. O lateral brasileiro, que há 15 anos defende o Real Madrid, se tornou o maior campeão com 24 títulos, superando a lenda Paco Gento. Não é oficial, mas notória internamente a informação que ele não seguirá em Madri na próxima temporada. Encerrará seu ciclo como merengue como começou: com título. E ainda há a Champions pela frente.

Vinicius é um dos casos de maior resiliência no futebol mundial nos últimos anos. Foran três temporadas de muitas críticas para um garoto que há pouco tempo se tornara profissional com a camisa do Flamengo. Hoje, ainda com apenas 21 anos, demonstra maturidade e força mental de um veterano. Amparado por excelente estrutura montada por ele na capital espanhola e a confiança determinante de Carlo Ancelotti (algo que não havia com Zinédine Zidane), Vini explodiu. São 18 gols e 19 assistências em 47 partidas, contando todos os torneios, e a melhor parceria do futebol mundial com Benzema.

O curioso caso de Luka Modric é inspirador. Para muitos, a temporada 2021-22 do meia croata é superior à 2017-18, quando foi eleito o melhor do mundo pela FIFA. Modric é a referência técnica da equipe, o jogador que controla o ritmo, acalma os companheiros, domina o meio-campo e joga sem se esforçar. O futebol parece simples em seus pés.

Por fim, Carlo Ancelotti. Aos 62 anos, se tornou o primeiro treinador na história a conquistar as cinco grandes ligas europeias: LaLiga, Premier League (Chelsea, 2009-10), Bundesliga (Bayern, 2016-17), Serie A (Milan, 2003-04) e Ligue 1 (Paris Saint-Germain, 2012-13). Além disso, em seu currículo de Real Madrid, considerando os principais troféus, faltava apenas LaLiga. Outra marca inédita alcançada pelo italiano, já que nenhum técnico em toda história merengue centenária vencera Champions, LaLiga, Copa do Rei, Supercopa espanhola, Mundial e Supercopa europeia. 

Outros nomes merecem a menção também nesta conquista de LaLiga. Thibaut Courtois teve uma temporada com nível para figurar entre os principais da posição. David Alaba é a melhor contratação da temporada, projetando custo-benefício principalmente. Rodrygo, na reta final, se mostrou decisivo com gols (como os dois contra o Espanyol) e assistências e prova ser uma das peças vitais para o futuro blanco. Casemiro permanece como uma fortaleza no meio-campo merengue. Também há quem decepcionou, sem surpresa para a maioria, como Eden Hazard e Gareth Bale. No final das contas, título incontestável.

Comentários

Real Madrid 35x campeão espanhol: título marcado por individualidades e marcas históricas

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Seleção brasileira visita centros de treinamento de Real Madrid e Juventus como opções antes da Copa

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

O coordenador da seleção brasileira, Juninho, e integrantes da comissão técnica visitaram nesta semana os centros de treinamentos de Real Madrid e Juventus. As cidades de Madri e Turim encabeçam a lista de favoritas para hospedarem a seleção nos dias anteriores à Copa do Mundo no final do ano. Outras possibilidades ainda não estão descartadas.

Juninho esteve ao lado de César Sampaio, assistente técnico de Tite, Fabio Mahseredjian, preparador físico, Luís Vagner, gerente de planejamento e operações, e Vinicius Rodrigues, assessor de imprensa. A vistoria começou na capital espanhola, analisando a estrutura que seria disponibilizada pelo Real Madrid em sua Ciudad Deportiva, na região norte da cidade. Posteriormente, a viagem seguiu até a Itália, onde o mesmo trabalho foi realizado no Juventus Training Center Continassa.

Ciudad Deportiva do Real Madrid é uma das principais candidatas a hospedar a seleção brasileiraq
Ciudad Deportiva do Real Madrid é uma das principais candidatas a hospedar a seleção brasileiraq Real Madrid

Todos jogadores serão liberados pelos clubes sete dias antes da abertura do Mundial, ou seja, em 14 de novembro. A FIFA exige que as seleções estejam no Catar cinco dias antes da estreia, o que no caso da seleção brasileira significa desembarcar no Oriente Médio no dia 19, já que o primeiro jogo acontece em 24 de novembro, contra a Sérvia, em Lusail, ao norte de Doha.

Como o Brasil ganhou cinco dias de preparação livres da exigência de já estar no Catar, a comissão técnica decidiu realizar esse período de treinamentos na Europa. No Catar, após vistoriar 17 opções, a CBF optou pelo estádio Grand Hamad e o Westin Doha Hotel & Spa como os locais que receberão a seleção brasileira.

Em 2018, com tempo bem maior já que a Copa do Mundo aconteceu no meio do ano, a seleção brasileira se hospedou no centro de treinamentos do Tottenham, em Londres. Na Rússia, teve a cidade de Sochi como base para os muitos deslocamentos longos e necessários, algo que não acontecerá no Catar pela pouca distância entre os locais de jogos.

Centro de treinamentos da Juventus foi uma das opções vistoriadas pela seleção
Centro de treinamentos da Juventus foi uma das opções vistoriadas pela seleção Juventus

Três jogadores do Real Madrid são nomes certos na lista de convocados de Tite: Éder Militão, Casemiro e Vinicius Jr; já Rodrygo está na disputa por uma vaga no ataque. Na Juventus, Danilo tem lugar garantido na seleção brasileira e Alex Sandro é um dos favoritos na lateral-esquerda, enquanto Arthur seria uma surpresa no meio-campo.

De todos integrantes da comissão técnica, apenas César Sampaio e Fábio Mahseredjian continuam na Europa. Os dois seguiram para a Inglaterra, onde acompanharão já neste sábado Manchester City x Watford, pela Premier League, e nos próximos dias LiverpoolVillarreal (Champions) e Aston Villa x Norwich (Premier League). Depois retornam para a Itália e assistem Juventus x Fiorentina em 20 de abril, pela Serie A.

Tite e Juninho Paulista em vistoria no estádio Grand Hamad, que será a base de treinos no Catar
Tite e Juninho Paulista em vistoria no estádio Grand Hamad, que será a base de treinos no Catar CBF

A seleção brasileira tem previsto amistosos contra Coreia do Sul e Japão em junho, além da partida contra a Argentina - que por enquanto também é um amistoso, obrigação contratual com a empresa que detém os direitos de jogos do Brasil, mas que pode virar a partida oficial restante das eliminatórias sul-americanas. Após isso, há previsão de mais duas partidas amistosas em setembro. Adversários europeus não serão possíveis, pela impossibilidade de calendário dessas equipes com a Nations League.

         

    


Comentários

Seleção brasileira visita centros de treinamento de Real Madrid e Juventus como opções antes da Copa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Prestes a completar 100 jogos pelo Real Madrid, Rodrygo vive melhor momento pelo clube e pela seleção

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Se entrar em campo pelo Real Madrid contra o Osasuna nesta quarta-feira, no estádio El Sadar, em Pamplona, o atacante Rodrygo completará 100 jogos pelo clube. Com a atual sequência de gols decisivos e grandes atuações, o ex-jogador do Santos vive seu melhor momento na Espanha.

Na última rodada de LaLiga, Rodrygo saiu do banco no intervalo contra o Sevilla. O Real Madrid perdia por 2 a 0 e virou no segundo tempo com um gol e uma assistência - para o gol da vitória marcado por Karim Benzema - do brasileiro. Cinco dias antes, diante do Chelsea na Champions League, foi chamado aos 33 minutos da segunda etapa e, logo na sequência, marcou o gol que colocou os merengues na prorrogação, onde eliminariam os atuais campeões da competição.

Ao todo, Rodrygo soma 13 gols e 18 assistências em 99 jogos pelo Real Madrid. Em sua primeira temporada, 2019-20, impressionou positivamente com sete gols e três assistências em 26 partidas em todas competições; já em 2020-21 os números variaram para dois gols e sete assistências em 33 aparições.

LaLiga: Rodrygo merece ser titular do Real Madrid? VEJA a comparação do brasileiro com Marco Asensio

A atual temporada já registra para "O Rayo", como é chamado, a melhor marca de jogos com 40 e de assistências com oito. Antes dos dois gols marcados na última semana, o atacante também comemorara contra a Inter de Milão em setembro e o o Shakhtar Donetsk em outubro pela Champions League. Na prática, já é a temporada com mais participações diretas em gol (12) de Rodrygo desde quando ele desembarcou em Madri.

Bem além dos números frios, nas estatísticas avançadas (fonte: Trumedia) o jovem atacante também se destaca. Contando todos os torneios, LaLiga, Copa do Rei, Supercopa e Champions, são 100 recuperações de posse de bola, aproveitamento de 85,5% nos passes (654 de 765), 826 passes recebidos, 52 finalizações e índice de xG (gols esperados) 5,18. Durante toda temporada o lado direito do ataque madridista tem sido bem disputado por Rodrygo, Marco Asensio e, mais recentemente fazendo outra função, Federico Valverde.

O bom rendimento fez com que Rodrygo entrasse nos planos da seleção brasileira para a Copa do Mundo deste ano. O atacante saiu do banco nos jogos contra Bolívia e Paraguai pelas eliminatórias sul-americanas, nas duas últimas datas FIFA. Marcou contra os paraguaios no Maracanã e agradou a comissão técnica pelo desempenho em campo - apesar dos poucos minutos somados, apenas 21 - e também nos treinamentos na Granja Comary. Desde 2020 ele não atuava pela seleção principal.

Rodrygo foi decisivo nos jogos recentes contra Chelsea e Sevilla
Rodrygo foi decisivo nos jogos recentes contra Chelsea e Sevilla Real Madrid

Rodrygo tem forte concorrência no setor ofensivo da seleção brasileira. Diretamente, pelo lado direito, concorre com os favoritos Raphinha (Leeds United) e Antony (Ajax), sem falar em Gabriel Jesus (Manchester City). Para uma lista de 23 nomes, é bem difícil estar no Catar, apesar de haver ainda toda primeira parte da próxima temporada pela frente; se a lista for ampliada para 26, como deseja Tite, as chances aumentam consideravelmente.

Com apenas 21 anos, Rodrygo já comemorou pelo Real Madrid o título de LaLiga em 2019-20 e duas Supercopas da Espanha (2020 e 21). Vai certamente celebrar a conquista de mais um Campeonato Espanhol nas próximas semanas, e certamente sonha com um ano praticamente perfeito, que inclui a conquista da Champions League e também um lugar entre os convocados para o Catar.

Rodrygo comemora com os companheiros de seleção no Maracanã
Rodrygo comemora com os companheiros de seleção no Maracanã Lucas Figueiredo/CBF

Comentários

Prestes a completar 100 jogos pelo Real Madrid, Rodrygo vive melhor momento pelo clube e pela seleção

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Neymar, Copa mais curta e relacionamento com clubes: conheça detalhes da preparação física da seleção brasileira

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

É comum falarmos como o jogo de futebol mudou nos últimos anos, e um dos principais fatores dessa mudança é o aspecto físico. A evolução da preparação física é notória, o que torna os jogadores de futebol atletas cada vez mais bem preparados para o ritmo intenso de um jogo e também do calendário. A Copa do Mundo deste ano será um capítulo especial nesse cenário, por vários motivos, que vão desde a sua curta duração até o período em que será realizada. Desafios a mais para a seleção brasileira e, especificamente, para Fábio Mahseredjian.

Aos 55 anos, o experiente profissional é o preparador físico na comissão técnica liderada por Tite. Nesta entrevista concedida à ESPN antes do jogo contra a Bolívia, Fábio falou sobre a evolução do jogo pelo aspecto físico, sua relação com os clubes, abordou casos específicos dentro da equipe, como Neymar, Thiago Silva e Daniel Alves, e entrou em detalhes sobre a Copa e como preparar o time para a principal competição de 2022.

Jogo, recuperação, treino, jogo. Qual é o intervalo necessário entre eles para obter o máximo rendimento físico do atleta de elite no futebol?

Muitos estudos nos mostram que o desgaste físico desse atleta é enorme em uma partida de futebol. As reservas de carboidrato, que são o combustível para o atleta jogar, a gasolina do atleta,  depletam após uma partida de futebol. E você precisa de aproximadamente setenta e duas horas de intervalo entre o jogo e outro. Isso não impede que seja menos. Para que você tenha, como você me perguntou, a máxima performance desse atleta, deveria ser em torno de setenta e duas horas.

O CIES Football analisou 7855 jogos de 31 campeonatos entre 2020 e 2021. LaLiga, na Espanha, lidera em média de distância percorrida pelos atletas de linha com 103,7 km por jogo, seguida de Suécia (103,6km) e Holanda (103,5 km). A Serie A italiana é a quarta, a Champions League sétima e a Premier League 11a. Na parte de baixo, a Copa Sul-Americana e o Brasileirão estão empatados na última posição com 95,8 km cada, seguidos pela Libertadores (96,8 km). Quando analisadas as corridas em alta intensidade, LaLiga também lidera com 803,9 m por jogador, seguida de Polônia, Inglaterra, Itália e Suíça. Nas três últimas posições: Copa Sul-Americana (647,3 m), Libertadores (671,1 m) e Brasileirão (673,9 m). São dados relevantes? Que leitura você faz desses resultados?
Primeiramente eu faço uma crítica ao sistema utilizado para analisar essas distâncias percorridas. Sejam elas em termos de volume, sejam elas distâncias percorridas em alta velocidade. Normalmente, o que é mais fidedigno para nós, são os traqueamentos dos campeonatos europeus, como a Premier League e a Ligue 1. Porque são câmeras colocadas em todos os estádios, em volta do gramado, onde você tem as distâncias percorridas, em alta velocidade ou não, de forma mais fidedigna. Esse sistema utilizado nessa reportagem publicada em uma revista, que não é um artigo científico, utiliza uma câmera de televisão que monitora o campo e, por vezes, perde onde está especificamente um jogador. Então não monitora os dois times ao mesmo tempo, isso pode coincidir com erros drásticos nessa medida. Mesmo assim, vamos supor que os erros são iguais ao erros de traqueamento da Premier League e de LaLiga, por exemplo. Quais hipóteses podemos levantar? Uma hipótese pra mim dessa diferença grande de distância percorrida entre a liga espanhola e a liga brasileira é que, no Brasil, o jogo para muito. Uma segunda hipótese é a condição dos gramados, que nós aqui na seleção tanto lutamos para que seja melhor. O gramado pior faz com que o jogo pare mais também e isso pode acarretar essas enormes diferenças de distâncias percorridas entre o Campeonato Brasileiro e o Campeonato Espanhol.

Esses dados reforçam a percepção, muitas vezes do torcedor, de que o futebol jogado nas grandes ligas europeias parece outro esporte, na comparação com o praticado na América do Sul?
Nós também pensamos assim por vezes. Chegamos na CBF na segunda-feira pela manhã e conversamos sobre isso. Parece outro esporte, é muito mais intenso, a bola não para. Uma outra hipótese que eu ia citar, o árbitro para muito o jogo e lá não. O atleta aqui reclama muito do árbitro e lá não. Volto a dizer, as condições do gramado lá são completamente diferentes daqui. E posso levantar outras hipóteses, mas com certeza esses são as principais hipóteses que fazem com que o jogo lá seja mais intenso do que no Campeonato Brasileiro.

Como funciona a sua comunicação com os departamentos físicos dos clubes europeus e também brasileiros? Você tem acesso aos relatórios internos referentes aos jogadores da seleção?
Vou fazer um pequeno histórico para explicar como conseguimos essa colaboração dos clubes brasileiros e europeus. Quando chegamos na CBF, para o dia a dia, não existia essa comunicação, tivemos que criar um canal de comunicação. Como foi criado isso? Ao final de cada Data FIFA, mandávamos para cada clube um relatório pormenorizado com tudo que o atleta fazia aqui. Quando ele se apresentava, quantas horas de fuso percorreu, quantas horas de voo ele teve, quantos treinos ele fez, cada treino que foi feito, o GPS dele. Isso fez com que conseguíssemos um canal de comunicação com esses clubes. Hoje, o Guilherme Passos Ramos, que é o nosso fisiologista e responsável por essa área, antes do atleta chegar aqui nós recebemos esses dados dos clubes europeus também. Além disso, com as viagens que fazemos de observação, conhecemos o preparador físico da Juventus de Turim, Simone Folletti, o preparador físico do Manchester City, Lorenzo Buenaventura, e o head of Sports Science, que é o Sam Erith, o preparador físico do Liverpool, o Andreas Kornmayer. Então todos esses profissionais, temos ligação direta com eles. Qualquer dado que o Tite me pede, com uma ligação, uma mensagem de WhatsApp, em menos de 24 horas eu consigo o dado que precisamos. Por isso essa relação foi muito importante para que obtivéssemos os dados do atleta lá onde ele joga, tanto no Brasil como no exterior.

Veja também!  Tite torce pelo aumento no número de jogadores convocados para a Copa do Mundo:


Haverá apenas uma semana de preparação para a Copa do Mundo, ou um pouco mais dependendo do sorteio dos grupos. Já é um Mundial diferente por ser o primeiro em um período de pandemia, que afetou todos atletas em seus treinamentos nos últimos dois anos. Além disso, será uma Copa no meio da temporada europeia, diferentemente de todas as últimas. Na comparação com 2018, o que muda no seu trabalho?
Existem prós e contras. No que diz respeito à pandemia, sou muito otimista nesse aspecto. Acredito que isso vai zerar ao final desta temporada. Aquela carga de jogos excessivos à qual os atletas foram expostos agora acaba. Todos terão as férias no meio do ano, voltam no final de julho para a pré-temporada nos clubes e começam a temporada em agosto normalmente. Então, assim, acredito que acaba eximindo o problema que foi a pandemia. Quanto à competição começar em novembro e não no meio do ano como era antes, o grande pró pra mim é que eles não estarão em final de temporada como na Copa de 2018. Alguns atletas, como o Douglas Costa, se apresentou aqui na seleção brasileira com uma lesão de posterior sofrida no último jogo da Juventus. Eu estava assistindo o jogo, vi que ele saiu, liguei para ele ao final do jogo. Ele estava no caminhão de bombeiros, porque tinham sido campeões, e me disse para ficar tranquilo que estava tudo bem. Quando ele chegou aqui, porém, tinha uma lesão de iscotibial do bíceps femoral da coxa dele. Então, essa incidência de lesões acredito que será absurdamente menor em ano de Copa do Mundo. A grande preocupação nossa, da preparação física e da fisiologia, não é quanto ao treinamento desses atletas, não é evolução de potência aeróbia, de potência e resistência anaeróbia, dos fatores neuromusculares, mas sim quanto à recuperação dos jogos que eles tiveram antes de se apresentarem. Como teremos de uma semana a dez dias, é plausível, entre aspas, simples, recuperar esses atletas para o início da Copa do Mundo. A grande dificuldade é que essa Copa do Mundo será realizada em 28 dias, menos que os 33 ou 34 dias das outras Copas. Então você pode esperar um jogo a cada três dias. Jogou, três dias de descanso. Então precisamos acelerar a recuperação desses atletas entre um jogo e outro. 

Quais são os jogadores da seleção brasileira que mais se preocupam em obter dados, informações sobre a preparação física?
Hoje é difícil pontuar um ou outro. A conscientização do atleta é tão grande nos dias atuais, que isso me deixa muito feliz. Quase todos vêm nos perguntar qual foi a distância que ele percorreu, quanto ele correu em alta velocidade, os dados dele. Então fica muito difícil nomear A, B ou C. Eu posso lhe dizer que a grande maioria se preocupa com sua performance física.

Thiago Silva e Daniel Alves são dois veteranos e atletas exemplares, aos 37 e 38 anos, respectivamente. Você, que tem acesso a todos os dados de análise física deles, como explica carreiras tão longevas e em tão alto nível?
Simples, eles sempre se cuidaram. Conheço o Thiago Silva desde quando trabalhei no Fluminense, em 2007 e 2008, ele tinha 23, 24 anos. Continua um atleta exemplar, se cuidando, não usa álcool, só de vez em quando com o objetivo de relaxar. Fisicamente está sempre antes para fazer os exercícios, não preventivos porque não gosto desse nome, mas as ativações para entrar em campo. Preocupa-se com o pós jogo, em fazer tudo que diz respeito a sua recuperação, para tentar acelerar esse processo. Assim como é o Daniel Alves. Conheci o Dani em 2006, quando estive pela primeira vez na seleção brasileira. É impressionante o cuidado que ele tem com seu corpo. O Dani é lépido, rápido, lógico que, com a idade seus níveis de potência caem um pouco, mas ele compensa com sua inteligência. São atletas de futebol na sua essência. Hoje em dia não existe mais o jogador de futebol, ele vem perdendo cada vez mais espaço para o chamado atleta de futebol.

Vocês têm enorme atenção com todos jogadores, naturalmente. Um especificamente, nos últimos anos, tem sofrido com muitas lesões, que diminuíram sua presença em campo pelo clube: Neymar. Pelo Barcelona, em quatro temporadas, jamais disputou menos do que 41 jogos - e isso aconteceu na temporada inicial. Pelo PSG, não passou de 30 e na atual temporada está com somente 21. Há preocupação maior com a situação física do Neymar, pensando nos dois últimos meses deste ano?
Não foi a quantidade de lesões. Tudo isso temos planificado. Trabalhamos direto com o Ricardo Rosa, que é seu preparador físico e que trabalha conosco aqui também. Aliás, conheço o Ricardo há 30 anos, passou por Corinthians, Santos, time da Arábia, então é um profissional experiente. E o Rafa, que é seu fisioterapeuta. O problema é que cada lesão o deixou afastado por um longo período. No Paris Saint-Germain ele teve a lesão do quinto metatarso, que o afastou por aproximadamente 90 dias. Novamente uma lesão do quinto metatarso, que o deixou afastado por mais um tempo. Agora essa lesão no tornozelo que o deixou afastado por aproximadamente 74 dias. Então, a quantidade de lesões, principalmente traumáticas, lesões de contato, o fizeram perder um tempo grande devido à gravidade dessas lesões. É claro que isso nos preocupa, claro queremos acelerar o processo dele de recondicionamento físico. Mas nós acreditamos que com essa parada, o final de temporada, e acreditamos que ele vai estar à disposição, as férias e o início da próxima temporada, se ele não tiver nenhuma outra lesão de contato, vai fazer com que ele esteja na sua melhor performance na Copa do Mundo.

Como é sua relação com o Tite? Quando você começou a trabalhar com ele e como foi o processo de construção de confiança na relação entre vocês?
Eu conheci o Tite em 2004, quando ele foi para o Corinthians e eu estava lá, e me dei muito bem com ele e sua comissão técnica. Como trabalho. Não esqueço quando ele me disse "Não somos amigos, somos companheiros de trabalho". Olhei para ele e falei "Tá bom, vamos trabalhar então". Fiquei meio assim... No final de 2004, ele me deu um livro onde na dedicatória ele colocou "Agora nós somos amigos". Falei "Tá bom, vamos continuar trabalhando". Ele respira futebol 24 horas por dia. Sempre digo isso, o trabalho de uma comissão técnica multi-disciplinar, e ele respeita muito o trabalho de todas as áreas: preparação física, fisiologia, departamento médico. Essa é uma virtude enorme dele.

No linguajar boleiro, antigamente tinha jogador que dava muito migué nos treinamentos. Corria pouco, reclamava de algumas dores... Hoje em dia isso é impossível, por causa de todas as medições feitas durante as atividades e os jogos. Já pegou algum caso desses na época de clube? Jogador atualmente dando migué no treino e depois desmascarado pelo GPS?
Sabe que, como te disse, não há mais espaço para o jogador, para o boleiro. Hoje eles são atletas. E se, por ventura, alguém exagerou, e não estou dizendo sobre ambiente de seleção e sim de clube, onde sempre estive, exagerou na noite anterior ou, como boleiramente a gente fala, emburacou na dia anteior, eles vêm e te contam. Prefiro assim. Tenho vários atletas com quem eu trabalhei, que chegavam pra mim e falavam "Fábio, morto". Não precisa falar mais nada, fica aí! Houve até um atleta uma vez no Corinthians, a gente já tinha sido campeão, não vou falar o nome dele, teve um churrasco na quarta-feira. Na quinta-feira, quando nos reapresentamos, sempre entro no vestiário e começo "Vambora, vamos trabalhar, horário é horário, conversa fiada matou carambola". Na hora que eu olhei, esse atleta estava sentado no banco, parecia que tihha sido atropelado na Marginal Tietê, o cabelo todo atrapalhado. Falei "Meu Deus, o que aconteceu com você?" e ele baixou a cabeça de novo. "Fica no DM, não entra no campo" (risos). Como falei, eles te contam. Se não te contarem verbalmente, fisicamente você percebe no ato.

Fábio Mahseredjian em coletiva de imprensa na CBF
Fábio Mahseredjian em coletiva de imprensa na CBF Lucas Figueiredo/CBF
Comentários

Neymar, Copa mais curta e relacionamento com clubes: conheça detalhes da preparação física da seleção brasileira

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Seleção brasileira deve ter sete mudanças no time titular para enfrentar a Bolívia

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Tite prepara a seleção brasileira com muitas novidades para enfrentar a Bolívia na próxima terça-feira, pelas eliminatórias sul-americanas. Na atividade deste domingo na Granja Comary, o treinador escalou a equipe titular com Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Éder Militão e Alex Telles; Fabinho e Bruno Guimarães; Antony, Lucas Paquetá e Philippe Coutinho; Richarlison.

São sete alterações na comparação com o time que goleou o Chile por 4 a 0, sendo duas por obrigação, já que Vinicius Júnior e Neymar estão suspensos para o compromisso com os bolivianos. Fora os dois, Danilo, Thiago Silva, Guilherme Arana, Casemiro e Fred devem começar no banco de reservas em La Paz.

Técnico Tite em treino da seleção brasileira na Granja Comary antes de partida contra a Bolívia pelas eliminatórias
Técnico Tite em treino da seleção brasileira na Granja Comary antes de partida contra a Bolívia pelas eliminatórias Lucas Figueiredo/CBF

No treinamento, com muita neblina, houve atividade em campo reduzido com o time principal enfrentando os reservas, completados também por dois garotos do sub-20 do Vasco. Depois, a seleção treinou os movimentos defensivos para pressionar a saída de bola da Bolívia a partir do 4-1-3-2 em bloco alto, variando para o 4-2-3-1 e depois o 4-4-2 em bloco baixo.

As mudanças na equipe titular são importantes, principalmente, para Alex Telles. Nas oportunidades anteriores, o lateral do Manchester United foi muito bem. Contra o Chile, Guilherme Arana foi um dos destaques do time. Os dois brigam por duas vagas na Copa do Mundo com Alex Sandro, que ficou de fora por problemas físicos e também por COVID, e Renan Lodi, que recuperou a boa forma nas últimas partidas do Atlético de Madrid.

No meio-campo, Bruno Guimarães terá também outra oportunidade para se firmar entre os possíveis convocados para o Catar. Com o descanso dado a Fred, o jogador do Newcastle será titular outra vez e sabe que precisa de mais uma boa atuação para seguir forte na disputa por uma vaga com Gerson e Arthur. Outra mudança relevante é a presença de Richarlison como centroavante, abrindo mão do falso nove que foi Neymar contra os chilenos.

A atividade deste domingo foi marcada também pela presença de muitos amigos e familiares de jogadores e membros da comissão técnica, além de integrantes do Movimento Verde Amarelo - uma espécie de torcida organizada da seleção -, que ficou responsável pelo batuque e pelas músicas de apoio ao time.

A seleção brasileira faz mais um treino em Teresópolis, nesta segunda às 10h, antes da viagem para Santa Cruz de la Sierra, em voo fretado. A ida para a capital boliviana está programada apenas para o dia do jogo, na terça, para evitar ao máximo os problemas ocasionados pelos 3.625 metros de altitude.


Comentários

Seleção brasileira deve ter sete mudanças no time titular para enfrentar a Bolívia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Thiago Silva torce por venda rápida do Chelsea e elogia Tuchel na condução da crise

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Um dia após entrar em campo pela seleção brasileira na goleada por 4 a 0 contra o Chile, o capitão da equipe, Thiago Silva, retornou ao Maracanã nesta sexta-feira para ser homenageado. O zagueiro do Chelsea colocou os pés na Calçada da Fama do estádio, imortalizando seu nome entre os grandes na história do futebol brasileiro.

A recepção contou com antigos companheiros de Fluminense, políticos que queriam aparecer mais que o jogador e até a bateria da Salgueiro. Ao lado da mãe, Ângela Maria, e da esposa, Belle Silva, Thiago fez o molde dos pés e depois atendeu a imprensa. Questionado sobre a atual situação de seu clube, que nesta semana recebeu a autorização do governo britânico para voltar a vender ingressos. Por conta das sansões impostas ao proprietário do Chelsea, Roman Abramovich, em meio a todo conflito envolvendo Rússia e Ucrânia, os Blues estão com suas operações extremamente limitadas.

Ao lado da mãe e da esposa, Thiago Silva foi homenageado no Maracanã
Ao lado da mãe e da esposa, Thiago Silva foi homenageado no Maracanã Maracanã

Abramovich, por isso, colocou o clube à venda e há vários interessados na aquisição do atual vencedor da Champions League. "Espero que, o mais rápido possível, alguém possa comprar para que a gente possa ter um pouco mais de sossego", afirmou Thiago Silva.

O zagueiro de 37 anos chegou ao Chelsea em 2020 e recentemente ampliou seu contrato até o término da temporada 2022-23. É um dos melhores zagueiros da Premier League e se tornou um dos líderes do elenco. "Temos um excelente treinador e uma excelente gestão por trás, que impedem que essas notícias cheguem na gente. Até porque, desde quando deu a notícia das sansões, não perdemos nenhum jogo. Isso mostra o quanto a gente estava forte mentalmente para não deixar essas coisas de fora entrarem no grupo. Então é dar sequência e esperar".

Thiago Silva se prepara para disputar sua quarta Copa do Mundo. A boa atuação da seleção contra o Chile mostrou, mais uma vez, a condição de uma das favoritas ao título mundial. Desde que se mudou para Londres, após ser informado pelo Paris Saint-Germain que não teria o contrato renovado - algo que o PSG se arrependeu depois -, a adaptação foi muito rápida.

O foco imediato está, agora, no próximo adversário do Brasil: a Bolívia, na altitude de La Paz. Depois que cruzar novamente o Oceano Atlântico, terá o Brentford em 2 de abril e o Real Madrid, quatro dias depois, pelo jogo de ida das quartas de final. Como ele mesmo ressaltou, o trabalho de Thomas Tuchel mantém a equipe concentrada no campo. Mesmo assim, é impossível se desligar de tudo que acontece ao redor em Stamford Bridge. "É claro que de alguma forma traz muitas dúvidas. A gente, na verdade, não sabe o que vai acontecer". Ninguém sabe.


         
     

Comentários

Thiago Silva torce por venda rápida do Chelsea e elogia Tuchel na condução da crise

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Oportunidades bem aproveitadas e mais uma boa atuação da seleção brasileira

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

A principal característica da seleção brasileira na atualidade é a competitividade. Trata-se de uma equipe extremamente bem organizada taticamente, com movimentos bem treinados e executados, e talento individual suficiente para colocá-la entre as melhores do mundo. Faltando menos de oito meses para a Copa no Catar, é possível afirmar com tranquilidade sua condição de uma das favoritas ao título - assim como é fácil afirmar que não há uma seleção sobrando no futebol mundial.

Talvez o mais importante neste momento seja perceber evolução. A seleção viveu, recentemente, um período de estagnação. Conquistava resultados, mas em campo via-se um time com poucas opções e falta de criatividade ofensiva. Com a evolução e o fortalecimento internacional de Raphinha, Vinicius Júnior, Lucas Paquetá, Antony e Matheus Cunha, a seleção ganhou novas peças para assumirem posições que nos últimos anos rodavam entre Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Willian, Douglas Costa... Na prática, houve renovação.

Brasil atropela o Chile no Maracanã; veja análise no Linha de Passe

         
     

Contra o Chile, quem melhor aproveitou a oportunidade dada pela comissão técnica foi o atacante do Ajax. Antony deu uma assistência e foi o ponta que a equipe precisava pelo lado direito com e sem a bola: deu uma assistência, criou várias jogadas no um-contra-um e ficou atrás apenas de Casemiro e Fred em recuperações de posse de bola (5).

Vinicius recebeu o passe para gol de Antony e foi muito bem na finalização. Por tudo que vem fazendo no Real Madrid e por ter atuado em casa, no Maracanã lotado com quase 70 mil pessoas, veste hoje em dia a camisa da seleção brasileira com naturalidade. Executou no jogo tudo que fez nos treinamentos na Granja Comary nos últimos dias.

Quem também merece destaque pelo bom jogo e pela oportunidade aproveitada foi Guilherme Arana. No primeiro tempo liderou o time em passes certos com 35 e terminou o jogo com duas finalizações, terceiro que mais arrematou na equipe brasileira. Acima de tudo, se mostrou muito confortável na função de criação por dentro, como é o pedido por Tite ao lateral-esquerdo.

Coletivamente, o time funcionou também sem um centroavante - principalmente nos 45 minutos iniciais. Neymar e Paquetá ocuparam bem a faixa central, sempre com o apoio de Fred na fase ofensiva. A profundidade era dada muitas vezes pelo jogador do Lyon. O objetivo da comissão técnica era ganhar mais uma opção tática e de formação: ganhou.

Os substitutos que entraram também mostraram serviço, casos principais de Philippe Coutinho - que jogou mais minutos, 27 no total - e Richarlison, que voltou a marcar pela seleção. Contra a Bolívia, na altitude de La Paz, qualquer nova oportunidade precisa ser bem mensurada pela comissão técnica. Afinal, as condições são muito adversas para qualquer atleta. De qualquer modo, o jogo contra o Chile, adversário de porte médio hoje em dia na América do Sul, em um estádio lotado, serviu bastante para avaliação.

Vini Jr marcou o primeiro gol com a camisa da seleção brasileira
Vini Jr marcou o primeiro gol com a camisa da seleção brasileira Lucas Figueiredo/CBF

Comentários

Oportunidades bem aproveitadas e mais uma boa atuação da seleção brasileira

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sobre seleção brasileira, esquemas táticos e responsabilidades do jornalismo

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Alisson, Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Guilherme Arana; Casemiro e Fred; Antony, Lucas Paquetá e Vinicius Júnior; Neymar. Essa será a formação titular do Brasil contra o Chile nesta quinta-feira, no Maracanã, pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo. Há algumas novidades.

A começar pela presença inédita de Antony iniciando uma partida pela seleção brasileira. Com o corte de Raphinha, desconvocado por ter testado positivo para COVID-19, o atacante do Ajax ganhou a oportunidade para fazer o lado direito do ataque. Em grande fase na Holanda, Antony tem enorme concorrência por um lugar no setor ofensivo entre os convocados para o Mundial.

Casemiro será titular mais uma vez no meio-campo da seleção brasileira
Casemiro será titular mais uma vez no meio-campo da seleção brasileira Lucas Figueiredo/CBF

Na frente, ainda, Neymar atuará mais uma vez como "falso 9". Partirá de um posicionamento central, abrindo espaços para os companheiros e oferecendo o jogo apoiado, com muita liberdade de movimentação. Já na defesa, Guilherme Arana foi o escolhido para começar na super concorrida lateral-esquerda e ser testado em uma partida com nível maior de enfrentamento.

Movimentação ofensiva

Desde quando Tite assumiu, no segundo semestre de 2016, a seleção brasileira já apresentou muita variação tática. Tudo que é executado em campo passa por intenso debate entre os membros da comissão técnica, que inclui avaliação dos adversários, observação dos atletas brasileiros em seus clubes e, acima de tudo, muito estudo. Nada é feito por mera intuição. Há razões e motivos para cada decisão tomada.

Contra o Chile, o plano tático estará baseado na plataforma do 4-2-3-1 e suas variações possíveis. Haverá muita similaridade com a partida contra o Uruguai na forma como a seleção atacará os chilenos: na construção de jogo o 3-3-4, com Danilo sendo um zagueiro pelo lado direito e Arana se posicionado próximo a Casemiro e Fred. Antony e Vini serão os responsáveis pela amplitude, o jogo forte pelo lado buscando o um-contra-um; Paquetá e Neymar atacando por dentro.

À medida que o time avança com a bola em campo, Arana e/ou Fred sobem e reforçam a construção ofensiva em linhas médias ou altas, tornando-se quinto e/ou sexto jogador no ataque (3-2-5 e 3-1-6). Tudo depende muito, também e obviamente, do posicionamento do adversário e como este vai se comportar nas fases do jogo: defensiva, transição defesa-ataque, ofensiva e transição ataque-defesa. Sempre, de qualquer modo, pensando em potencializar as individualidades dos jogadores brasileiros.

Mais detalhes táticos

A saída de bola, chamada pela comissão técnica da seleção brasileira de "iniciação sustentada", segue o padrão destas eliminatórias: sete jogadores, somando o goleiro, os quatro defensores e os dois meio-campistas centrais. Bola no chão e passes curtos, se aproveitando da qualidade técnica dos jogadores.

O Chile deve atuar dentro da plataforma do 3-5-2. Ciente disso, a comissão técnica realizou movimentações específicas no treino de terça-feira, na Granja Comary, para anular pontos fortes do adversário. Atenção especial foi dada aos atacantes de lado de campo para pressionarem o Chile no campo de ataque e cortarem as linhas de passe para os alas chilenos, que devem ser Mauricio Isla e Gabriel Suazo.

Na marcação alta, o Brasil pressionará no 4-2-1-3, justamente com Antony e Vini adiantados. A partir daí, de acordo com o avanço do adversário, o sistema defensivo é alterado para o 4-2-3-1 na marcação média, com os externos na linha do Paquetá, e o 4-4-1-1 no bloco baixo.

Deveres do jornalismo

Cada vez mais, dentro dos estudos de futebol em universidades ou nos cursos de formação de treinadores, a especificação dos desenhos táticos tem aumentado. No Brasil, historicamente, o 4-4-2 sempre foi o esquema tático padrão. Nas últimas décadas, mesmo com as equipes alterando suas formações, nas transmissões televisivas e nas escalações divulgadas no rádio, a leitura dos nomes seguia o desenho das duas linhas de quatro e dois atacantes.

Há, hoje, quantidade de informações disponíveis que não havia em um passado nem tão distante assim. Para explicar sobre posições, funções e as já citadas fases do jogo, tornam-se necessário tantos números e combinações. O jogo mudou. Nos quatro campos principais de análise - tático, técnico, físico e anímico - houve mudanças naturais aos nossos tempos: evolução tecnológica, aprimoramento das ciências, inovações digitais e novas formas de relações pessoais. Como escreveu Belchior, o novo sempre vem. 

Assim como não podemos olhar para o passado com os olhos do presente na análise de futebol, não devemos analisar o futebol atual somente com as ideias do passado, o que demanda maior preparação. Tudo isso sem jamais descartar, naturalmente, a experiência de profissionais que viveram outras épocas do esporte e do país ou ignorar que o futebol, para a maioria, seja somente entretenimento.

Termos considerados "chatos" por muitos estão cada vez mais presentes em entrevistas de treinadores e jogadores. Nesse contexto, cabe ao jornalismo esportivo explicá-los ao invés de ironizá-los. É necessário, sempre, transmitir a informação da maneira mais clara possível, sem reduzi-la a discursos comuns se esta exigir maior complexidade.

A opinião é livre, mas se torna mais completa quando baseada em informações bem apuradas ou estudadas. O puro "achismo" pode gerar grandes debates e polêmicas fáceis, mas carece de responsabilidade no trato.

Comentários

Sobre seleção brasileira, esquemas táticos e responsabilidades do jornalismo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Recomendado por Van Basten, jovem brasileiro do PSV pode se tornar reforço da seleção holandesa

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Quando Marco van Basten aparece na TV e afirma que determinado jogador merece uma chance na seleção holandesa, todos param para prestar atenção. Se ele for estrangeiro e estiver prestes a adquirir a cidadania do país, a situação se destaca ainda mais. É o que acontece com Mauro Júnior, jovem brasileiro de 22 anos, que defende o PSV e em breve estará elegível para ser convocado pela Holanda.

Desde 2017 o polivalente jogador atua pelo PSV, quando foi contratado logo após completar 18 anos. Mauro foi formado pelo Desportivo Brasil e teve convocações para as seleções brasileiras de base, além de ter sido lembrado por André Jardine na equipe olímpica recentemente. Nos últimos dias, com a notícia de que obterá o passaporte holandês após cinco anos como residente, a imprensa na Holanda passou a cogitar a possibilidade do jogador defender a Oranje.

Mauro Júnior é um dos destaques do PSV nesta temporada
Mauro Júnior é um dos destaques do PSV nesta temporada PSV

"Eu, meus agentes e o clube estamos trabalhando na solicitação desse passaporte até julho. Pra mim será muito importante pelo mercado aqui na Europa, até mesmo pela possibilidade de jogar uma Copa do Mundo. Na seleção brasileira está um pouco difícil agora e tenho essa porta aberta, não posso fechar", explica Mauro. "Meu sonho sempre foi jogar pela seleção brasileira, disputar uma Copa do Mundo pelo Brasil. A camisa da seleção brasileira é a mais pesada que existe. Na base e também na seleção olímpica vi isso, faz a diferença vestir a amarelinha. É diferente. Tenho tempo ainda para pensar sobre Holanda e Brasil, mas acho que primeiro preciso focar no momento que estou vivendo".

Não houve contato da federação holandesa, mas internamente no PSV ele recebe apoio total da diretoria e também de André Ooijer, zagueiro da Holanda nas Copas de 1998, 2006 e 2010, que atualmente faz parte da comissão técnica chefiada pelo alemão Roger Schmidt. "Saiu muito na mídia aqui. Alguns ex-jogadores famosos como o Marco van Basten, além do Piet de Visser, comentaram na televisão, disseram que seria uma boa opção para a seleção holandesa. Dentro do clube treino com o André Oojier, que faz parte do nosso staff, e deixou bem claro pra mim que jogar pela Holanda é muito gratificante. Também me deu algumas dicas, querendo me arrastar um pouco para a Holanda, dizendo que eu estava sendo muito bem falado aqui, que estou com moral", garante o jogador brasileiro, natural de Palmital, no interior de São Paulo, e que renovou recentemente seu contrato com o PSV até 2025. Sobre Piet de Visser, ele foi o olheiro que indicou Ronaldo ao PSV em 1993.

Já Schmidt é o responsável pela mudança de posição. Na temporada passada, Mauro, que é meia-atacante, treinou como lateral, mas não chegou a ser aproveitado na função. Na atual, sem tantas oportunidades no ataque do PSV, o brasileiro foi extremamente receptivo quando o treinador o procurou e conversou sobre a possibilidade de ser fixado na lateral. "Ele me perguntou se eu tinha interesse em treinar na lateral e respondi que meu objetivo era jogar. A partir daí comecei a ganhar confiança nos jogos e graças a Deus estou nesse nível atual, graças ao Roger também que me ajudou nessa evolução. Nesta temporada sou oficialmente lateral". Canhoto, Mauro começou na lateral-esquerda, mas com problemas de lesão na equipe, passou a ajudar também pelo lado direito.

Veja o gol de Gotze pelo PSV!


         
     

O atual camisa 17 do PSV ainda não fala holandês fluentemente, até mesmo porque o inglês é praticamente a língua oficial no vestiário, pela grande quantidade de estrangeiros. Em todo país é bem possível viver o dia a dia com a língua inglesa também. "Gosto muito da Holanda, estou há cinco anos e gosto de tudo do país, menos da temperatura. É bem frio... É um país que me abraçou, desde quando vim pela primeira vez, com 14 anos, e esse é um dos grandes motivos por estar aqui há tanto tempo", lembra Mauro, que chegou a ser emprestado ao Heracles Almemo na temporada 2019-20, citando as viagens na base. 

No final das contas, como o próprio jogador cita várias vezes na entrevista, cabe a ele seguir com o bom rendimento e aguardar. "Acredito que as duas portas estejam abertas pra mim, na hora certa terei que escolher um dos lados com certeza e precisarei estar preparado para tomar a decisão certa e madura para a minha carreira, o meu futuro". Isso já poderia acontecer neste ano? "2022 também pode ser realidade, nunca se sabe, no futebol as coisas mudam muito rápido. Ainda sonho com a Copa do Mundo deste ano".

Comentários

Recomendado por Van Basten, jovem brasileiro do PSV pode se tornar reforço da seleção holandesa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Por pouco tempo de liberação dos jogadores, seleção descarta Teresópolis e fará toda preparação para a Copa fora do Brasil

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

A seleção brasileira fará toda preparação para a Copa do Mundo deste ano fora do Brasil. Diferentemente do último Mundial, quando a equipe se concentrou inicialmente em Teresópolis e depois partiu para a Europa, desta vez, por causa do curto prazo de liberação dos atletas, não trará os convocados para a Granja Comary.

Ainda não está certo se a seleção iniciará os treinamentos na Europa ou diretamente no Catar. O que definirá isso é o sorteio da Copa e quando acontecerá a estreia do Brasil.

 Com sensações de Palmeiras, Flamengo e Botafogo, Ramon convoca seleção sub-20 pela primeira vez 

         

    

A FIFA exige que as seleções participantes do Mundial estejam no país sede ao menos cinco dias antes da primeira partida. Neste ano, por causa da pandemia e o período incomum de realização da Copa, entre novembro e dezembro, os clubes precisam liberar os atletas apenas sete dias antes do início da competição.

O Brasil será cabeça de chave, e caso caia no Grupo B, por exemplo, já estrearia no dia 21 de novembro e seria obrigado a chegar no Catar no dia 16, pelo menos, sendo que os jogadores serão liberados apenas no dia 14. Nesse cenário, há duas opções: reunir o grupo na Europa e seguir para o Oriente Médio ou todos fazerem a viagem direto de suas localidades e se reunirem já no país árabe.

Se o sorteio colocar a seleção no Grupo H, tudo muda drasticamente, uma vez que a estreia seria em 24 de novembro e a chegada no Catar apenas no dia 19. Nesta situação, a comissão técnica estuda a possibilidade de treinar em algum CT da Europa, antes de seguir viagem definitiva para o Oriente Médio.

Como a Copa acontecerá no meio da temporada europeia, por decisão da FIFA para fugir do verão na região, os jogadores que atuam no Velho Continente estarão em plena disputa dos campeonatos nacionais e das taças continentais. No Brasil, os atletas estarão em reta final de temporada - o Brasileirão tem rodada final marcada para 13 de novembro. Dificilmente haverá liberação por parte dos clubes de seus jogadores antes do período mínimo de sete dias.

Nesta quinta-feira a CBF divulgou os planos de hospedagem e treinamento da seleção brasileira no Catar. Após vistoriar 17 locais, escolheu o estádio Grand Hamad, casa do Al Arabi para as atividades diárias, e o Westin Doha Hotel & Spa, distantes apenas 4 km entre si. 

Tite durante partida entre Brasil e Venezuela
Tite durante partida entre Brasil e Venezuela Getty

Comentários

Por pouco tempo de liberação dos jogadores, seleção descarta Teresópolis e fará toda preparação para a Copa fora do Brasil

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Com zagueiro brasileiro em campo e Domènec Torrent no banco, Galatasaray tentará surpreender o favorito Barcelona

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Campeão da Europa League em 1999-2000 e maior vencedor na história do Campeonato Turco, o Galatasaray vive temporada turbulenta e muito abaixo das expectativas de um clube tão grande. A péssima campanha na Super Liga turca fez com que a diretoria demitisse o histórico técnico Fatih Terim, que estava há pouco mais de quatro anos no cargo, e anunciasse a contratação de Domènec Torrent, ex-Flamengo, em janeiro.

O início do espanhol foi péssimo, com três derrotas nas três partidas iniciais. A primeira vitória veio apenas no sexto jogo, há poucas semanas, e nesta quinta-feira terá pela frente o compromisso mais difícil de toda temporada. No estádio Camp Nou, o Galatasaray enfrentará o Barcelona pelo jogo de ida das oitavas de final da Europa League. Preocupação para muitos, motivação para outros.

"É um jogo muito difícil, mas para nós, jogadores, quando vamos enfrentar uma equipe como o Barcelona, é uma motivação a mais. Precisaremos de um nível de concentração muito grande, mas creio que estamos preparados para esse desafio", afirma o zagueiro Marcão, que desde 2019 defende a equipe turca e surgiu com destaque no Brasil pelo Athletico-PR.

Ao todo, com Dome, o Galatasaray soma apenas duas vitórias em oito jogos oficiais. Marcão faz a própria avaliação dos problemas que ocorreram nos últimos meses. "Quando cheguei no Galatasaray, havia uma forma de pensamento da diretoria. Antes queriam jogadores mais experientes e agora resolveram mudar, trazer jogadores mais jovens para fazer dinheiro com eles no futuro. Se você oscila muito no Campeonato Turco, fica bastante difícil. O fato de termos tantos jovens pesou muito", explica.

Já sobre a chegada de Dome, que conhece muito bem o Barcelona por ter sido assistente-técnico de Pep Guardiola na Catalunha por cinco anos, o defensor brasileiro cita as dificuldades  na transição de profissionais e assimilação de novas ideias. "Como os jogadores aqui passaram muito tempo com o Fatih Terim, um cara fora de série, quando você fica muito tempo com um treinador e depois muda, é difícil para alguns. Há também a diferença da língua com os turcos, mas agora as coisas estão se encaixando, os jogadores estão entendendo mais o que o Dome pede. Ele gosta que fiquemos mais posicionados, não deixemos tanto espaço. Apesar de termos perdido o último jogo do Campeonato Turco, os jogadores já estão entendendo muito mais o que ele quer", finaliza, citando o 2 a 0 para o Konyaspor, fora de casa, no último sábado.

Marcão foi contratado pelo Galataasaray em 2019
Marcão foi contratado pelo Galataasaray em 2019 Galatasaray

Apesar do péssimo desempenho no Campeonato Turco, onde ocupa somente a 12a posição, o Galatasaray - ainda com Fatih Terim - foi muito bem na Europa League. Três vitórias e três empates em um grupo com Lazio, Olympique de Marseille e Lokomotiv Moscou lhe deram a primeira colocação e classificação direta para as oitavas de final. No sorteio, porém, deu azar ao encarar o Barcelona, que mudou muito na última janela de transferências e evoluiu bastante desde a chegada de Xavi como novo treinador. Marcão sabe disso, e faz apostas sobre quais atacantes terá pela frente. "Acredito que o ataque que vai nos enfrentar seja o mesmo que jogou contra o Napoli, e acho que é o que eles têm de melhor, com Adama, Aubameyang e Ferrán".

Em busca de título inédito, Barcelona enfrenta o Galatasaray pelas oitavas de final


         
     

Ciente dos problemas enfrentados pelo time na Turquia, a diretoria se movimentou no mercado também. O retorno do veterano atacante francês Bafétimbi Gomis, que defendeu o clube de 2017 a 2019 e estava desde então no Al Hilal (Arábia Saudita), causou impacto imediato. Já são três gols em quatro jogos para o jogador de 36 anos. De qualquer modo, todos em Istambul e em Barcelona sabem do favoritismo do time catalão no confronto, ainda mais pelo bom momento vivido em LaLiga, onde é terceiro colocado - melhor posição desde a primeira rodada nesta temporada.

Demanda muita análise por parte do adversário? "De vídeo nem precisa tanto... A maioria dos jogadores gosta de assistir grandes jogos, e o Barcelona é uma grande equipe. Todo mundo conhece o Barcelona e assiste seus jogos", diz Marcão, que conheceu o adversário nestas oitavas de final da Europa League de maneira inusitada. "Eu estava dirigindo. Temos o grupo aqui do clube e os caras começaram a escrever 'vamos, Barça' e eu pensei 'ué, o que eles estão falando', e aí vi que caiu o Barça. Fiquei feliz demais! Particularmente quero disputar esses grandes jogos, é um grande desafio, quero competir com os melhores".

Comentários

Com zagueiro brasileiro em campo e Domènec Torrent no banco, Galatasaray tentará surpreender o favorito Barcelona

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Vivemos a era de dois dos maiores e melhores centroavantes da história, e é possível provar

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

A mudança do futebol nas últimas três décadas tem sido enorme. Pela evolução da ciência esportiva, o jogo se tornou mais físico, distâncias maiores são percorridas em 90 minutos e tudo isso interfere diretamente na intensidade de uma partida. Jogadores são capazes de executar várias funções em campo e algumas posições clássicas, no mais alto nível, correm risco de extinção. A era dourada do futebol espanhol, capitaneada pelo Barcelona de Pep Guardiola e seu jogo de passes, fez muitos acharem que o centroavante tradicional, por exemplo, havia se tornado memorabília futebolística. Não é bem assim.

Aquele atacante pesado, que joga como referência, não volta para marcar, contribui pouco com passes e quase nada faz fora da área realmente se tornou item raro entre os melhores times. Hoje em dia, o centroavante é móvel, tem muita qualidade para jogar em toda intermediária ofensiva, colabora na marcação e segue fazendo muitos gols. Os dois melhores exemplos da atualidade tiveram, sem qualquer receio de exagero, uma semana histórica.

Na terça, Robert Lewandowski marcou os três primeiros gols na goleada do Bayern Munique sobre o Red Bull Salzburg por 7 a 1. A classificação para as oitavas de final da Champions veio com sobras, após o 1 a 1 no jogo de ida, assim como o polonês aumentou sua lista de recordes pessoais. O hat-trick alcançado nos 23 minutos iniciais na Alemanha foi o segundo mais rápido na história da competição, atrás apenas dos 22 minutos de John Eriksson, pelo Djugardens (Suécia), contra o Gwardia Warsawa (Polônia) em 12 de outubro de 1955, na primeira Champions da história. Lewandowski ampliou sua marca pelo Bayern para 336 gols, segundo maior artilheiro em todos os tempos do clube bávaro.


         
     

Já no dia seguinte, esta quarta-feira, Karim Benzema entrou em campo com tarefa mais árdua. Reverter a vantagem obtida pelo Paris Saint-Germain na ida, com o 1 a 0 na França. Quando seu companheiro de seleção francesa, Kylian Mbappé fez 1 a 0, o objetivo ficou ainda mais difícil. Benzema precisou de exatos 1001 segundos no segundo tempo para marcar três gols e dar a classificação impactante para o Real Madrid. Além disso, ultrapassou Alfredo di Stéfano e se tornou o terceiro maior artilheiro na história do Real Madrid com 309 gols - está a 14 do segundo na lista, Raúl González.


         
     

Percebem o tamanho desses dois jogadores? Lewandowski e Benzema estão no top 3 da artilharia de dois dos maiores clubes do mundo. De certa maneira, pela avalanche de programas de debate nos canais esportivos, banalizamos praticamente tudo que se refere à história. Qualquer derrota de torna o maior vexame da história, qualquer classificação vira a maior da história, um jogador já entra na lista dos maiores de todos os tempos... No caso do polonês de 33 anos, desde 2014 em Munique, e do francês de 34, há 13 anos em Madri, não há exagero porque os números provam. Ninguém se torna o segundo maior artilheiro do Real Madrid e o terceiro do Bayern, prestes a assumir o segundo lugar, por acaso (ao menos Gerd Müller, com 563 gols, e Cristiano Ronaldo, com 450, estão ainda distantes). 

Joga-se mais atualmente do que no passado e isso favorece recordes pessoais? Sim, mas ao mesmo tempo a exigência física e a pressão midiática são ainda maiores. Os feitos do presente não apagam tudo que outras lendas do futebol já fizeram, mas ao mesmo tempo é necessário reconhecer o nível absurdo de talento reunido nas grandes equipes europeias, o que também eleva o nível de dificuldade para esses atletas que disputam as grandes ligas do continente. Fora isso, a preocupação e o cuidado dos dois com a durabilidade e a longevidade das respectivas carreiras são fatores notórios. Ambos são atletas profissionais, que respeitam o torcedor e o clube que investe muito neles.

Robert Lewandowski e Karim Benzema são dois dos melhores e maiores centroavantes do futebol, e a história deles continua sendo escrita.

Lewandowski e Benzema, os centroavantes que dominam o futebol atual
Lewandowski e Benzema, os centroavantes que dominam o futebol atual Getty
Comentários

Vivemos a era de dois dos maiores e melhores centroavantes da história, e é possível provar

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Real Madrid e PSG se preparam para duelo tático, repleto de dúvidas nas escalações

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Há muitas histórias em Real Madrid x Paris Saint-Germain, que acontece nesta quarta-feira, no Santiago Bernabéu. Desde questões práticas, como a definição de substitutos dos jogadores ausentes, até o futuro de Kylian Mbappé. Além, é claro, de valer vaga nas quartas de final da Champions League, prêmio máximo para dois clubes que devem reconquistar seus campeonatos nacionais nesta temporada.

Na ida, em Paris, o PSG foi muito superior. Venceu por 1 a 0, gol de Mbappé, mas poderia ter construído vantagem bem superior. Karim Benzema não estava 100% fisicamente, Vinicius Júnior vivia um momento de baixa técnica, Carlo Ancelotti recuou demais o time... No final das contas, pela história contada na capital francesa, a derrota por apenas um gol de desvantagem foi bem assimilada pelos merengues, mas os os desfalques gerados para a partida de volta preocupam muito.

Mbappé comemora gol do PSG contra o Real Madrid pelas oitavas de final da Champions League
Mbappé comemora gol do PSG contra o Real Madrid pelas oitavas de final da Champions League Loic Baratoux/Anadolu Agency via Getty I

Ferland Mendy e Casemiro estão suspensos. A partir daí há um quebra-cabeças de opções para o treinador italiano com um elenco sem tanta profundidade, apesar da enorme qualidade. No meio-campo, a ideia inicial era recuar Toni Kroos para a função do brasileiro e colocar Federico Valverde para atuar ao lado de Luka Modric no 4-3-3, pressionando o adversário. O meio-campista uruguaio consegue subir muito bem a marcação, com toda sua potência física e velocidade.

Toni Kroos treinou com o grupo merengue, mas não teve a escalação confirmada
Toni Kroos treinou com o grupo merengue, mas não teve a escalação confirmada Real Madrid

No entanto, Kroos se tornou dúvida por causa de uma lesão muscular. Treinou nesta terça-feira com os companheiros, mas não tem escalação confirmada. "Se Kroos estiver 95%, não joga", Carlo Ancelotti na coletiva de imprensa. Por conta disso, há um cenário onde Eduardo Camavinga começa o jogo para o Real Madrid como primeiro jogador de meio-campo, atrás de Valverde e Modric. Após ótimo início, o jovem francês de apenas 19 anos, reforço desta temporada, viveu um período de baixa e poucos minutos em campo. Nas últimas semanas se recuperou e, no final de semana, marcou um golaço na goleada do Real Madrid sobre a Real Sociedad por 4 a 1- jogando, porém, à frente de Casemiro, como gosta mais.

O desfalque do jogador da seleção brasileira e a possível ausência de Kroos são duros golpes para o meio-campo merengue. Projetando, também e principalmente, os duelos e a forma de jogo do PSG para o confronto. Após abrir 1 a 0, não precisará se expor tanto e, certamente, utilizará muito a velocidade de seus jogadores. Nesse ponto, a dúvida sobre a escalação de Mbappé é um fator de equilíbrio na partida.

O atacante francês levou uma pancada no treinamento de segunda-feira. Inicialmente o PSG temia uma fratura, algo que foi descartado nos exames. Viajou com o grupo para Madri e treinou normalmente nesta quarta - deve jogar. Ele é o melhor jogador dos parisienses na temporada e fará muita falta caso não atue, mesmo que por 90 minutos, inclusive pelo espaço que haverá para as transições do PSG. Há algum atacante no mundo pior para se enfrentar no 1x1 em velocidade? 

Mbappé no embarque para Madri
Mbappé no embarque para Madri PSG

Mauricio Pochettino sabe que precisa reduzir o problema defensivo da equipe. Desde o início do trio Messi-Neymar-Mbappé, o Paris Saint-Germain sofre sem a bola. Por uma questão simples: os três não entregam tanto para o time na fase defensiva. Ao atacar a partir do 4-3-3, a recomposição defensiva deveria acontecer no 4-1-4-1, com os atacantes de lado fechando a segunda linha por fora, ou até mesmo no 4-4-2, com um dos três auxiliando na segunda linha. Não é o que acontece, e na prática o PSG marca com sete jogadores nas duas linhas baixas de marcação, sem exercer pressão sobre o adversário no campo de ataque, quando perde a bola - algo que nenhum time de ponta no mundo faz. 

Sem uma das três estrelas, Ángel di María entra e compõe bem o setor ofensivo e colabora sem reclamar na fase defensiva, deixando o PSG sem a bola no 4-4-2, com Marco Verratti, Danilo, Georgino Wijnaldum ou Idrissa Gueye na segunda linha. Só que no final de semana, na derrota por 1 a 0 para o Nice, o problema foi justamente a falta de criatividade ofensiva. Sem Mbappé, suspenso, o time não funcionou e teve menos finalizações do que a equipe do ótimo treinador Christophe Galtier, campeão na temporada passada com o Lille. Imagina-se que, diante do Real Madrid, os níveis de concentração, motivação e dedicação dos jogadores em campo sejam bem diferentes, ainda mais com a presença novamente de Lionel Messi no Santiago Bernabéu.

Há ainda mais dúvidas nas escalações. Ao perder Mendy, Carlo Ancelotti pode optar pela alteração simples e escalar desde o início o capitão Marcelo. É notório que o brasileiro já não rende como em outros tempos, mas ofensivamente ainda pode ajudar muito e, com toda sua experiência, poderia colaborar em uma partida de tão alta tensão - mesmo que defensivamente não tenha o mesmo rendimento do titular francês. Caso decida pelo aspecto defensivo como prioridade, o treinador italiano pode improvisar - como já fez várias vezes - Nacho na posição ou escalar o zagueiro ao lado de Éder Militão e deslocar David Alaba para a função. Este último caso pode soar natural, mas desfaz uma das melhores duplas de defesa da Europa e ainda tira a imprevisibilidade de movimentação que Alaba tem como zagueiro partindo para o ataque.

No PSG, Pochettino tem dito que Sergio Ramos, que não atua há sete jogos, poderia aparecer em campo também. Parece algo improvável diante do cenário que se aproxima, por mais que o histórico decisivo do ex-capitão merengue deva ser considerado. A tendência é Marquinhos começar jogando ao lado de Presnel Kimpembe. Naturalmente, também, muito se falará, com a atuação (ou não), de Mbappé e seu futuro como possível madridista, graças a tudo que aconteceu no início da temporada e o desejo do atacante de se transferir para o Real Madrid. O resultado final destes playoffs influenciará a decisão do jogador? Não parece provável, mas também não se deve duvidar de qualquer situação no futebol.

O roteiro principal do jogo tem o Real Madrid com maior posse de bola, pressionando o Paris Saint-Germain, em busca da vitória que o classifica ou que ao menos leva a decisão para a prorrogação - não há mais o gol marcado fora de casa como critério de desempate. O PSG vai certamente explorar as transições, com ou sem seu trio de estrelas no ataque, e não deve apenas se defender, permitindo total imposição dos espanhóis. Será um jogo de trocação, grande tensão e de enorme qualidade técnica, em um dos cenários mais emblemáticos da Europa, com alguns dos melhores jogadores do mundo. Compromisso imperdível para todos que apreciam o esporte mais popular do mundo.

Comentários

Real Madrid e PSG se preparam para duelo tático, repleto de dúvidas nas escalações

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Consequências da guerra na Ucrânia ao futebol: campeonatos suspensos, eliminatórias em risco, brasileiros isolados e clubes sancionados

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

A invasão da Rússia na Ucrânia gera gravíssimas situações para o povo ucraniano. Em conflitos bélicos, a população vulnerável é sempre quem mais sofre. Milhares buscam fugir do país pelas fronteiras com Polônia, Eslováquia, Romênia e Moldávia. Tantos outros simplesmente não conseguem deixar Kiev, capital do país, para onde as tropas russas avançam. Várias cidades estão sendo atacadas desde as primeiras horas desta quinta-feira (24). Inevitavelmente, o esporte é atingido.

O Campeonato Ucraniano foi oficialmente suspenso por 30 dias. Retornaria, após a longa pausa de inverno, nesta sexta-feira (25). Praticamente todos os times retornaram ao país, depois de intertemporada na Turquia. O que, infelizmente, provocou o isolamento de vários jogadores em locais atingidos pelo conflito.

Desde o início da guerra, em 2014, com a revolução ucraniana chamada de Euromaidan e a declaração de independência das repúblicas de Donbass, no leste, o país está dividido. O Shakhtar foi obrigado a deixar Donetsk, um dos epicentros das batalhas, e se mudar inicialmente para Kharkiv, depois Lviv e, por fim, Kiev, desde 2020. Lá estão, agora, todos os 12 jogadores brasileiros do clube, além de Júnior Moraes, naturalizado ucraniano. Ao lado de Vitinho, do Dínamo de Kiev, e todos familiares, os atletas estão em um hotel na capital aguardando alguma solução.

Na Ucrânia, jogadores brasileiros fazem apelo por ajuda: 'Não temos como sair; pedimos apoio ao governo'

Sem o mesmo apelo ou condição financeira privilegiada estão jogadores brasileiros de outros clubes. Guilherme Smith, Cristian e Juninho são atletas do Zorya, que também abandonou sua cidade em 2014, deixando para trás Luhansk e se estabelecendo em Zaporizhzhia, cerca de 400km a oeste. Em Kharkiv estão Derek, Fabinho e Marlyson, sem poder sair. Neste momento, de absoluta incerteza com o futuro da Ucrânia, todos precisam apenas de ajuda do governo brasileiro para conseguirem retornar.

"As famílias de funcionários, que possuem uma questão financeira mais abaixo, sofrem bastante. Os jogadores podem correr para outro país próximo, mas as pessoas daqui em dificuldade financeira, não. São cidades pobres, fica muito difícil para essas pessoas. A gente fica preocupado com elas, porque são pessoas do bem, só querem ser felizes, andar pelas ruas igual no resto dos países", afirmou com exclusividade para o blog Guilherme Smith, ex-Botafogo e desde o ano passado na Ucrânia. Já Fabinho, também em testemunho para o blog, disse que em Kharkiv as coisas ainda estão "aparentemente tranquilas", mas ele e os companheiros de Metalist seguem muito tensos.

Outros estrangeiros passam por situações semelhantes. O jogador argentino Claudio Spinelli, do Oleksandria, conseguiu fugir com os companheiros pela fronteira polonesa, confirmou o pai do atleta nas redes sociais: "Está escapando, pegou suas poucas coisas no apartamento e está tratando de escapar. Está em uma rota até a Polônia."

A Uefa, surpreendentemente e diferentemente do que aconteceu em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia, se posicionou a favor da Ucrânia. A final da Champions League desta temporada, marcada para São Petersburgo, será retirada, já informam diversas fontes internacionais. Nesta sexta haverá uma reunião extraordinária da entidade para confirmar e anunciar tal decisão. Há outros problemas por vir ainda no campo do futebol internacional.

Em 24 de março, a Rússia receberia a Polônia - adversária política do governo de Vladimir Putin - em Moscou, pela repescagem europeia para a Copa do Mundo. Se vencesse, jogaria a decisão da vaga novamente na capital russa contra Suécia ou Tchéquia. As três seleções adversárias já divulgaram manifesto conjunto contrário à realização desses jogos em território russo. Há possibilidade real de suspensão da seleção russa, como já aconteceu com a Iugoslávia na década de 1990.

Vale lembrar que a seleção ucraniana também está na repescagem, com partida programada contra a Escócia, fora de casa. A base da equipe é formada por Dínamo de Kiev e Shakhtar Donetsk, que não terão mais atividade até lá. Oleksandr Zinchenko, jogador do Manchester City e da seleção ucraniana, publicou em suas redes sociais mensagem contra o presidente da Rússia: "Putin, espero que morra sofrendo a morte mais dolorosa."

Quem também se manifestou foi Andriy Shevchenko, maior ídolo do futebol ucraniano. "Ucrânia é minha pátria. Sempre tive orgulho do meu povo e do meu país. Passamos por momentos muito difíceis e nos últimos 30 anos nos formamos como nação. Uma nação de cidadãos sinceros, trabalhadores e amantes da liberdade." As manifestações não foram apenas do lado ucraniano. Fyodor Smolov, jogador da seleção russa, através de seu Instagram, escreveu "Não à guerra."

A maior empresa russa é a Gazprom, uma das principais patrocinadoras da Uefa. Também estava na camisa do Schalke 04, da Alemanha, que anunciou nesta quinta a retirada da marca de seus uniformes e futuras conversas sobre o acordo.

"Tenho medo também. Muito mais do que no futebol, tenho medo da guerra. Tenho muitos amigos em Kiev e, mesmo que não tivesse, não queria a guerra. A maioria dos russos também não quer", afirmou também ao blogo o jornalista russo Grigory Telingater. "Não sei o que vai acontecer. Não sei. Amigo, é difícil dizer, depende do que os outros países acham. Tenho dúvidas que outros países queiram enviar suas armas e seus soldados para a Ucrânia."

Enquanto isso, clubes russos também sofrem com a decisão de seu presidente em invadir a Ucrânia. Estados Unidos, União Europeia e Reino Unido anunciaram uma série de sanções econômicas a empresas russas. O CSKA Moscou, do lateral Mário Fernandes, tem como maior acionista o bance VEB, punido pelos norte-americanos. Por isso, na lista divulgada pelo governo dos EUA, o clube moscovita apareceu oficialmente entre os citados.

Até então, apenas o Akhmat Grozny, clube da Chechênia, era o único na Rússia com sanções dos Estados Unidos, acusado de vínculo com movimentos terroristas na região. Além das perdas econômicas, o Akhmat perdeu também o direito de manter um canal no YouTube, por exemplo, uma empresa de capital norte-americano. O Sochi, que atualmente briga por um lugar na próxima Champions League, também deve sofrer consequências. A equipe pertence a Boris Rotenberg, bilionário amigo do governo russo e sancionado pelos Estados Unidos

Aliás, a cidade de Sochi é um dos maiores exemplos de como futebol e política estão tão alinhados na Rússia. O local é tratado com enorme carinho por Putin, que há muitos anos destina recursos para a região para transformar Sochi em um enorme pólo turístico. Esportivamente, ganhou as Olimpíadas de Inverno, a prova de Fórmula 1 e um time profissional de futebol.

Nas últimas semanas, com o acirramento das tensões, antes ainda da invasão, muito se falava sobre a possibilidade de Shakhtar e Zorya passarem a disputar o Campeonato Russo. Isso jamais iria acontecer, pela falta de reconhecimento internacional das ações russas. Logo, Fifa e Uefa lavariam as mãos, como fizeram na questão da Crimeia, onde os clubes hoje são praticamente apátridas - estão proibidos de se vincular à federação russa e não fazem parte da estrutura ucraniana. 

Agora, porém, a preocupação é outra. Trata-se da própria sobrevivência dos clubes ucranianos com o país sendo invadido por outra nação. Inicialmente, imaginava-se apenas a anexação dos territórios de Donetsk e Luhansk, até por isso as equipes passavam para os jogadores brasileiros mensagens de tranquilidade. As últimas 24 horas se tornaram um turbilhão político e bélico.

No final das contas, fica cada vez mais claro como governos jogam com a vida das pessoas no tabuleiro de geopolítica internacional.

Atacante Fernando, um dos vários jogadores brasileiros do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia
Atacante Fernando, um dos vários jogadores brasileiros do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia Genya Savilov/Getty Images
Comentários

Consequências da guerra na Ucrânia ao futebol: campeonatos suspensos, eliminatórias em risco, brasileiros isolados e clubes sancionados

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Conflito entre Rússia e Ucrânia atinge diretamente o futebol da região

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

No próximo dia 25, Minai e Zorya entram em campo pela 19a rodada da Premier League ucraniana. Será a partida de retomada da competição, após a longa e necessária pausa de inverno. Ao menos isso é o que está previsto na tabela. Com os últimos acontecimentos na tensa relação entre Ucrânia e Rússia e o risco iminente de invasão dos russos, é impossível prever qualquer coisa em território ucraniano.

O líder do campeonato, Shakhtar Donetsk, está na Turquia, onde realiza intertemporada costumeiramente. No último sábado enfrentou o Shakhter Karagandy, do Cazaquistão, em amistoso e venceu por 2 a 1. David Neres, reforço de 15 milhões de euros desta janela de transferências, esteve em campo. Nos próximos dias, jogadores e comissão técnica seguirão para suas casas em Kiev, capital ucraniana, e não para Donetsk, cidade do clube na região de Donbass. Desde 2014, quando a guerra no leste da Ucrânia começou, com grupos pró-Rússia se rebelando contra o governo ucraniano, o Shakhtar passou a ser um clube refugiado, sem direito a retornar para sua cidade, um dos epicentros do conflito.

Tanques russos realizam treinamento em Belarus, próximos à fronteira com a Ucrânia
Tanques russos realizam treinamento em Belarus, próximos à fronteira com a Ucrânia AP

Os torcedores pelo mundo já se acostumaram às "travas" da UEFA em seus sorteios de Champions League e Europa League: clubes ucranianos e russos não ficam no mesmo grupo e todos esforços possíveis são feitos para evitar cruzamentos em fases de mata-mata. Donbass é uma região ideologicamente ligada à Rússia, onde o russo é a primeira língua. O Shakhtar não é o único atingido diretamente pela guerra; ainda mais à leste está o Zorya Luhansk, obrigado a mandar seus jogos em Zaporizhzhia, 400km à oeste de Luhansk e distante da fronteira com a Rússia.

"Estou acompanhando tudo. Meus amigos, meus familiares, algumas pessoas sempre me perguntam como estão as coisas aqui. Todos ficam preocupados, porque é algo que está passando em todos os lugares, é o assunto mais comentado no mundo no momento. Procuro estar focado em treinar e trabalhar, mas claro que a gente pensa o que vai acontecer, o que pode acontecer conosco... E isso envolve muitas famílias, muitas pessoas do bem. A gente torce para não acontecer nada, fica em oração, pedindo a Deus, para não acontecer nada", relata o atacante Guiherme Smith, ex-Botafogo, contratado pelo Zorya em junho do ano passado. "O clube informa para não ficarmos preocupados com isso, só para trabalhar nesta inter-temporada e fazermos um resto de campeonato ótimo", completa o jogador, que neste momento realiza a intertemporada com o Zorya também na Turquia.

Guilherme, de apenas 18 anos, é um dos três brasileiros do clube de Luhansk. Já no Shakhtar são atualmente 12 jogadores oriundos do Brasil, além de Júnior Moraes, naturalizado ucraniano. Curiosamente, na prevista retomada do Campeonato Ucraniano, Zorya e Shakhtar atuarão como visitantes em regiões extremamente nacionalistas da Ucrânia, próximas às fronteiras com Polônia e Eslováquia. No entanto, com o aumento das movimentações militares da Rússia, o cerco já feito através de suas próprias divisas e também pelo território de Belarus e da Crimeia e o fracasso de negociações conduzidas por Estados Unidos e aliados europeus, o ápice desta guerra que começou em 2014 parece se aproximar. Se isso acontecer, inevitavelmente o futebol será ainda mais atingido.

"A gente fica com medo, apreensivo, porque não sabe realmente o que está acontecendo. Por causa da língua, não temos muita informação, mas se acontecer algo mesmo o clube vai nos informar. De qualquer modo, é claro que a gente fica apreensivo. O povo ucraniano é um povo muito querido, as pessoas me acolheram muito bem e eu tenho um carinho muito grande pela Ucrânia. Não só por estar jogando aqui, mas por realmente terem me acolhido muito bem. Isso que está acontecendo envolve muitas famílias que eu conheço, pessoas que viraram meus amigos", conta Guilherme.

O jovem Guilherme, de 18 anos, defende o Zorya desde o ano passado
O jovem Guilherme, de 18 anos, defende o Zorya desde o ano passado Zorya

O que acontece com os clubes em caso de invasão?

Desde a anexação da Crimeia pelos russos em 2014, os clubes da península se tornaram, praticamente, apátridas. Não jogam na Ucrânia e foram proibidos por FIFA e UEFA de participarem das competições russas - basicamente para evitar maiores crises diplomáticas para as duas entidades, já que a comunidade internacional, na maioria, não reconhece a Crimeia como parte do território russo. Há o caso específico do atual FC Simferopol que ajuda a entender a complexidade de tudo que envolve esse conflito.

Primeiro campeão na história da Premier League ucraniana, em 1992, logo após a dissolução da União Soviética, o Tavriya Simferopol deixou de existir com o início da guerra em 2014 e foi refundado apenas como FC Simferopol. A federação ucraniana, no entanto, decidiu manter a história do clube em seu país ao criar um novo Tavriya Simferopol e alocá-lo em Kherson, maior cidade próxima à fronteira com a Crimeia, no sul da Ucrânia. Assim, o FC Simferopol joga atualmente a liga da Crimeia e o Tavriya Simferopol disputa a segunda divisão ucraniana.

Portanto, a eventual invasão russa em território ucraniano e a anexação das regiões de Luhansk e Donbass não colocariam Zorya e Shakhtar no Campeonato Russo imediatamente, como muitos poderiam imaginar. A pressão internacional é enorme, com os Estados Unidos, através de seu presidente, Joe Biden, ameaçando sérias consequências para a Rússia. A escalada da tensão na região é cada vez maior, com várias nações já orientando a saída de seus cidadãos da Ucrânia. Como não haveria grande reconhecimento internacional em relação à ação russa, FIFA e UEFA não entrariam no imbróglio geopolítico. Lavariam as mãos, como no caso da Crimeia.

Conflito bem distante da solução

Análise divulgada na semana passada pelo Stratfor, renomado centro norte-americano de estudos globais de geopolítica, indica o enfraquecimento dos Estados Unidos como potência negociadora de crises. "Sob essas circunstâncias, os EUA – não querendo uma guerra na Ucrânia, mas se sentindo compelidos a se envolver de qualquer maneira – estariam enviando uma mensagem muito clara: 'Conhecemos seus planos e atacaremos você'. O problema com essa teoria é que, se os EUA pretendessem combater um ataque russo por outros meios que não as sanções, teriam deixado claras suas intenções muito antes da véspera de uma invasão. Mais importante, os russos teriam visto os preparativos americanos. A Rússia seria claramente capaz de reconsiderar seus planos se estivesse genuinamente preocupada com a resposta dos EUA".

O artigo é bastante crítico à postura norte-americana com o conflito. "Os EUA se abstiveram de dizer abertamente que a guerra está chegando e que responderá com todo o poder à sua disposição. Anunciou apenas as 'intenções' da Rússia, sem qualquer sugestão pública de que os EUA pretendem fazer algo a respeito. É como se os EUA quisessem que o mundo soubesse que a Rússia em breve atacará sem fazer nada além de dar um alarme. Esta é uma maneira estranha de construir credibilidade. Se você não pretende agir, seria melhor fingir surpresa. Ter conhecimento e ainda ser derrotado é uma má opção".

Vladimir Putin, presidente da Rússia, torcedor do Zenit São Petersburgo e entusiasta da utilização do esporte como ferramenta de propaganda, não aceita a inclusão da Ucrânia na OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte, aliança militar criada em 1949 após o fim da Guerra Fria. Historicamente, a Ucrânia é considerada o coração da nação russa, elemento central de sua identidade.

Volodimir Zelensky, terceiro presidente da Ucrânia desde a deposição de Viktor Yanukovich, que desencadeou todo conflito em 2014, afirma que as pretensões russas ferem a autonomia de seu país. Durante o período soviético, milhões de ucranianos morreram de fome entre 1932 e 33 no que ficou conhecido como Holodomor, ou a Grande Fome, e marcou para sempre gerações de famílias ucranianas.

Dodô chegou ao Shakhtar em 2018 e não conhece Donetsk
Dodô chegou ao Shakhtar em 2018 e não conhece Donetsk Shakhtar

Rinat Akhmetov, bilionário e proprietário do Shakhtar, foi acusado nos últimos anos de financiar grupos pró-Rússia durante o conflito. A Arena Donbass, em Donetsk, estádio de 400 milhões de dólares erguido por Akhmetov para o Shakhtar em 2009, está fechado há oito anos. Nesse período, mais de uma vez foi avariado por bombas. Desde então o Shakhtar passou a mandar jogos em Lviv, depois Kharkiv e em 2020 se estabeleceu em Kiev. Isso cria situações inimagináveis, como por exemplo com o lateral brasileiro Dodô, ex-Coritiba, contratado pelo clube em 2018, que simplesmente não conhece Donetsk.

"Quando cheguei, fomos direto para a cidade do rival, jogamos no estádio do rival. Em Kiev, não temos o número de torcedores nas arquibancadas que desejamos, porque está fora da cidade, mas na Champions ao menos lota. Isso é algo bem incomum, sentimos falta da torcida. Eu nunca peguei um jogo com toda torcida do Shakhtar como em Donetsk, com o estádio lotado", contou Dodô em entrevista à ESPN em maio do ano passado. Na época, Akhmetov desejava retornar o mais rápido possível a Donetsk. Diferentemente dos jogadores, que se sentiam seguros na capital ucraniana.

Passados oito meses desde então, o sonho de voltar a atuar na Arena Donbass é algo cada vez mais distante. Assim como a solução para um conflito que fortalece o ego dos poderosos e atinge a população vulnerável da região.

Confira mais!

Barcelona arranca empate aos 52 do 2º tempo em clássico quente contra o Espanyol; VEJA os gols

Comentários

Conflito entre Rússia e Ucrânia atinge diretamente o futebol da região

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Arthur Cabral e Bruno Guimarães sobem o nível e terão grandes e bem diferentes desafios

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Quando o Palmeiras anunciou a negociação de Arthur Cabral com o Basel, em junho de 2020, o destino chamou atenção. Apesar de não possuir grande histórico de jogadores brasileiros - Arthur se tornou o 13o na lista do clube - o Basel é uma equipe que desenvolve muito bem jovens talentos. O recrutamento promovido na Basileia é de altíssima qualidade e grandes atletas tiveram espaço para esse desenvolvimento jogando na Suíça. Dezoito meses depois, é possível afirmar com tranquilidade que a mudança fez muito bem ao atacante formado no Ceará e pouco aproveitado no alviverde.

Foram 106 jogos, com 65 gols marcados e 19 assistências em 7960 minutos. O título em campo não veio, bateu na trave com o vice-campeonato suíço na temporada passada. O que veio foi a classificação para a Conference League, onde o time segue vivo e já classificado para as oitavas de final, muito graças aos cinco gols marcados por Arthur. Em termos financeiros, os seis milhões de euros investidos em 2020 foram suficientemente pagos com o desempenho esportivo e os 14 milhões de euros pagos pela Fiorentina na semana passada.

Arthur Cabral e Bruno Guimarães
Arthur Cabral e Bruno Guimarães Divulgação/Fiorentina/Newcastle

Já Bruno Guimarães deixou o Brasil em situação bem diferente. Foi negociado pelo Athletico-PR por 20 milhões de euros com o Lyon e saiu do país já na condição de um dos mais promissores meio-campistas do futebol brasileiro. Desembarcou na França pouco antes do início da pandemia, aproveitou o período de confinamento para aprender a falar francês e se tornou titular absoluto no meio-campo lyonnais. Despede-se do Lyon com 71 jogos, três gols, oito assistências e o carinho do torcedor francês.

Em comum, os dois terão enormes desafios pela frente, mas bem diferentes. Arthur Cabral troca a Basileia por Florença com a responsabilidade de substituir Dusan Vlahovic, atacante sérvio de 21 anos, autor de 17 gols na temporada do Campeonato Italiano, negociado por 75 milhões de euros com a Juventus. Chega em um time que funciona muito bem com um centroavante, o que vai lhe ajudar na adaptação tática, acima de tudo. Pela expectativa, o brasileiro foi contratado para ser titular, mas haverá concorrência com o polonês Krzystof Piatek.

Já Bruno desembarca em um projeto audacioso e ao mesmo tempo conflituoso neste momento. Após ser adquirido por um fundo de investimentos árabe, bancado na prática pela Arábia Saudita, o Newcastle pretende bater de frente com os mais poderosos clubes do mundo. Precisa agora, no entanto, garantir permanência na próxima temporada da Premier League, já que luta contra o rebaixamento. O clube do norte da Inglaterra é apenas o 18o colocado com 15 pontos conquistados após 21 jogos.

Chris Wood e Kieran Trippier chegaram antes e já melhoraram a equipe treinada por Eddie Howe, outro que chegou no meio da turbulência. Foram contratações bem específicas, de jogadores que conhecem o campeonato e garantiriam auxílio imediato, sem necessidade de adaptação - assim como o lateral Matt Targett, do Aston Villa, contratado no último dia deste mercado. O meio-campista da seleção brasileira entra em outra categoria de reforço. Bruno pode ser considerado, na prática, a primeira grande contratação da era milionária do Newcastle, em acordo que, somando cláusulas de bônus, poderá chegar a 50 milhões de euros.

Aos 24 anos, é um jogador para o futuro, com enorme potencial de evolução, mas que obviamente precisará também ajudar de maneira imediata. Está claro que não há meio-campista melhor do que ele no clube, e Bruno aterrissará em Newcastle upon Tyne com a missão de ser um dos principais jogadores do time no distanciamento da zona de descenso - algo que parece ainda mais provável após esta janela de transferências, mas que está longe de ser garantido. Jogar a Championship, a segunda divisão inglesa em 2022-23, não está nos planos de qualquer um envolvido na negociação.

Tanto Bruno Guimarães como Arthur Cabral sobem o nível de competição. Enquanto o atacante troca a Super Liga suíça e a Conference League pela Serie A, uma das cinco ligas mais fortes da Europa, o meio-campista vai para a liga mais forte do continente. Ambos terão a oportunidade de provarem seus talentos e confirmarem as grandes expectativas criadas sobre eles. Sem falar que a Copa do Mundo acontece no final do ano.

Comentários

Arthur Cabral e Bruno Guimarães sobem o nível e terão grandes e bem diferentes desafios

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Detalhes separam Bruno Guimarães de acerto com o Newcastle

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Bruno Guimarães deve se tornar jogador do Newcastle nos próximos dias. Nesta semana, o Lyon, atual clube do meio-campista brasileiro, aceitou proposta de 40 milhões de euros feita pelos ingleses. Faltam detalhes, como o tempo de contrato, para o acerto entre clubes, jogador e representantes do atleta. O Lyon negou publicamente o acordo.

A oferta inicial do Newcastle pelo jogador de 24 anos foi de 30 milhões de euros. Jean-Michel Aulas, presidente do Lyon, recusou e pediu 40 milhões à vista, o que foi prontamente aceito. O clube francês pretende arrecadar cerca de 120 milhões de euros em negociações, para solucionar problemas de débito. Lucas Paquetá pode ser o próximo jogador negociado por Aulas.

Bruno Guimarães durante PSG x Lyon pelo Campeonato Francês
Bruno Guimarães durante PSG x Lyon pelo Campeonato Francês Catherine Steenkeste/Getty Images

Bruno Guimarães, assim como Paquetá, está no Equador com a seleção brasileira para a partida pelas eliminatórias da Copa do Mundo. Ele informou aos seus empresários que conversará com a família sobre a transferência, mas deseja atuar na Premier League. Nesta sexta, os jogadores da seleção têm folga prevista e já estarão no Brasil. O negócio deve ser acertado por telefone entre todas partes envolvidas, mas o exame médico necessário para finalizar a transação aconteceria somente na sexta.

Alexis Malavolta, empresário de Bruno Guimarães, viajará para Belo Horizonte - onde o Brasil enfrentará o Paraguai na próxima terça-feira - para tratar dos últimos detalhes da transferência com o jogador. Giuliano Bertolucci e Kia Joorabchian também são sócios no agenciamento da carreira do meio-campista do Lyon, que surgiu nacionalmente no Athletico-PR em 2017 e foi negociado com o Lyon em janeiro de 2020 por 20 milhões de euros.

O Newcastle foi comprado em outubro do ano passado por um fundo de investimento árabe, ligado ao governo da Arábia Saudita. Nesta janela de transferências o clube já contratou o atacante Chris Wood, do Burnley, por 30 milhões de euros, e o lateral-direito Kieran Trippier, do Atlético de Madrid, por 15 milhões.

Comentários

Detalhes separam Bruno Guimarães de acerto com o Newcastle

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading